Economia

"TAP não deve nada à Groundforce", garante ministro

Pedro Nuno Santos disse ainda aos deputados que esperava que a venda da posição de Alfredo Casimiro na empresa de handling se concretize brevemente. Mas garante que, se a venda falhar, o Estado e a TAP vão encontrar uma solução.


Para o ministro das Infraestruturas e Habitação não há dúvidas: a TAP tem estado do lado da solução no caso da Groundforce e afirmou que a companhia aérea não deve nada à empresa de 'handling'. E garantiu  que a companhia aérea não deve nada à empresa de 'handling', referiu esta terça-feira, no Parlamento. 

Já sobre a greve do fim de semana, Pedro Nuno Santos lamentou a situação, classificando o que aconteceu de "dramático", e adiantou que a TAP está a trabalhar numa solução para assegurar o pagamento dos subsídios de férias aos trabalhadores da empresa. 

"Compreendemos perfeitamente a situação de angústia, ansiedade, desespero até, que muitos trabalhadores da Groundforce vivem. Os salários sistematicamente a ser pagos em atraso, a incerteza quanto ao futuro são motivos mais do que fortes para que os trabalhadores se sintam agastados, angustiados e adiram a uma greve", disse o ministro.

Pedro Nuno Santos disse ainda aos deputados que esperava que a venda da posição de Alfredo Casimiro na empresa de 'handling' se concretize brevemente. Contudo, garante que, se a venda falhar, o Estado e a TAP vão encontrar uma solução.

"Se, por alguma razão, falta de interesse de algum investidor, o Montepio não conseguir proceder à venda, o Estado ou a TAP encontrarão uma solução. Temos estado a trabalhar numa solução há algum tempo, foi suspensa para dar oportunidade a que o processo de venda se realizasse, não aconteceu. Neste momento, está o Montepio a tentar concluir, esperamos que conclua com sucesso, se não concluir queremos que os senhores deputados e os trabalhadores da Groundforce soubessem que o Estado ou a TAP resolverão o problema, caso a venda de um privado a outro não aconteça", acrescentou o ministro das Infraestruturas. 

Além disso, adiantou que a "TAP está a trabalhar uma solução para pagar os subsídios de férias, sem que disso dependa a vontade ou aceitação de quem tem o controlo da Groundforce", adiantou Pedro Nuno Santo