Internacional

Investigação conclui que Andrew Cuomo assediou sexualmente várias mulheres

Inquérito iniciado em março revela que o governador do estado de Nova Iorque assediou onze mulheres, apalpando-as, beijando-as e abraçando-as sem consentimento. Local de trabalho tonou-se tóxico. Agora, até o Presidente Biden defende o afastamento democrata.


Admirado outrora pelos discursos diários na televisão, em que sublinhava com confiança e otimismo o caminho de sucesso de Nova Iorque rumo ao fim da crise pandémica, hoje a vida política de Andrew Cuomo está um caos.

O inquérito independente de cinco meses chegou ao fim. A investigação concluiu que o governador do estado de Nova Iorque assediou sexualmente onze mulheres, tendo violado leis federais e estaduais, revelou a procuradora-geral do estado Letitia James na terça-feira.

O relatório de 165 páginas, onde constam todos os detalhes do processo, dá a conhecer os primeiros assédios ocorridos em março, quando duas assessoras se queixaram de comportamentos inapropriados no local de trabalho; os abraços, os beijos, os apalpões – sem consentimento - e os comentários imprópios de que várias outras mulheres foram alvo; ou o quão “tóxico” se tornara o local de trabalho, onde era permitida a ocorrência de assédio.

“O que esta investigação revelou foi um padrão perturbador de comportamentos do governador de Nova Iorque” afirmou a procuradora. A porta-voz da assembleia de Nova Iorque também se pronunciou ao considerar “perturbadoras” as descobertas evidenciadas e que mostram que Cuomo “não é apto para o cargo”.

O político, de 63 anos, para já nega as acusações. Num vídeo de 14 minutos gravado a partir de Albany, Cuomo reitera que a investigação teve motivações políticas envolvidas e declarou que “os factos são muito diferentes daquilo que foi retratado no relatório. Nunca toquei em ninguém de forma inapropriada, isso não é quem eu sou nem quem nunca fui”.

Por se tratar de um inquérito civil não poderá haver diretamente uma acusação criminal contra o governador. Mas certo é que o golpe na reputação política de Cuomo está dado. A repercussão mediática do caso levou Joe Biden a sugerir ao governador que se demita: “Penso que ele deve renunciar”, disse o Presidente norte-americano a repórteres na terça-feira.

Descontenamento generalizado e desilusão é o que também sentem os eleitores de Nova Iorque.  O New York Times conta o que sentem os que há menos de um ano admiravam Cuomo pela atitude face à pandemia: “É um grande infortúnio que esses dois sejam a mesma pessoa”, conta Sarthal Sharma, de 33 anos.“Já chega. Quero-o fora de lá”, desabafa Lee Fitzgerald, residente em Albany, capital do estado de Nova Iorque. Rob Lombardi, dono de um restaurante, diz que até votaria no atual governador em 2022, mas não depois do sucedido.”Como poderia? Tenho uma filha”.