Sociedade

Incêndio em Castro Marim já consumiu mais de nove mil hectares

Proteção Civil revela que “o potencial deste incêndio é de 20 mil hectares”. Cerca de 80 pessoas foram retiradas de 12 localidades. Autoestrada A22 já reabriu ao trânsito.


O incêndio, que deflagrou na madrugada de segunda-feira, em Castro Marim já consumiu mais de nove mil hectares num perímetro de 43 quilómetros, anunciou, esta terça-feira, o comandante da Proteção Civil de Portimão, Richard Marques.

"O incêndio de Castro Marim progrediu de forma fulminante para os concelhos de Tavira e Vila Real de Santo António. Quero salientar que estamos perante um incêndio que teve uma taxa de expansão de 650 hectares por hora, um incêndio que lavrou com muita intensidade, atingido um perímetro de 43 km numa área afetada de cerca de 9 mil hectares. O potencial deste incêndio é de 20 mil hectares", revelou, em conferência de imprensa.

Até ao momento, 81 pessoas de 12 localidades foram retiradas de casa por precaução. Foram ainda retirados 80 cães e 110 gatos do Canil/Gatil Intermunicipal de Castro Marim/Vila Real de Santo António que foram "direcionados com o apoio de voluntários para o canil de Tavira e de Loulé”.

"Um bombeiro ficou ferido, felizmente um ferido leve, que já regressou à sua casa e deixa-nos bastante aliviados. Entre a população há zero vítimas", acrescentou.

Não há habitações danificadas, apenas uma oficina foi consumida pelas chamas.

Na mesma conferência de imprensa, a Guarda Nacional Republicana (GNR) anunciou que a autoestrada A22, conhecida como 'Via do Infante', já reabriu ao trânsito nos dois sentidos.

Sublinhe-se que a força de segurança apelou, durante a manhã desta terça-feira, para a população não utilizar a estrada EN125 entre Vila Real de Santo António e Tavira.

Mais de 600 operacionais e 200 veículos, apoiados por oito meios aéreos, estiveram envolvidos no combate às chamadas. Pelas 11h50, segundo o site da ProCiv, permaneciam no local 671 bombeiros, 208 viaturas e cinco meios aéreos.