Internacional

Derrame de petróleo na Califórnia mata vida animal

O petróleo criou um brilho que se estendia a quilómetros de distância e transformou a areia em glóbulos negros e pegajosos. Aves e peixes acabaram por morrer e pântanos ficaram contaminados.


A praia do estado de Huntington, no sul da Califórnia, esteve fechada ao público este fim de semana após 3.000 barris de petróleo terem sido derramados, deixando-a pintada de preto. O acidente — que teve origem num oleoduto que está conectado à plataforma petrolífera Elly — matou peixes, aves e danificou pântanos. O objetivo das autoridades é tentar minimizar os danos e salvar o máximo de vida marinha possível.

Os primeiros relatos de que teria havido um derrame fizeram-se ouvir na sexta-feira passada e no sábado de manhã. Mas foi no domingo que foram lançadas ao mar algumas barreiras para tentar conter o petróleo.  A Guarda Costeira dos EUA anunciou no domingo passado uma investigação para apurar a origem do incidente.

O petróleo, que criou um brilho que se estendia a quilómetros de distância e transformou a areia em glóbulos negros e pegajosos, vai do cais de Huntington Beach até Newport Beach. A prefeita de Huntington Beach, Kim Carr, chamou ao fenómeno de “catástrofe ambiental” e de um “potencial desastre económico”. “As zonas húmidas estão a ser degradadas e partes da linha costeira estão agora cobertas de petróleo”, descreve ainda, segundo a Reuters.  

Os derrames podem ser fatais para algumas espécies de animais. As aves têm dificuldades em voar com o petróleo espalhado nas suas patas e os mamíferos e outros animais aquáticos sentem dificuldade em respirar – podendo levar à morte.