Economia

Taxa de juro implícita do crédito à habitação sobe para 0,807% em novembro

Capital médio em dívida sobe 396 euros, revela o INE.


A taxa de juro implícita no crédito à habitação subiu para 0,807%, valor superior em 0,4 pontos base (p.b.) ao registado no mês anterior, revelou o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira. Este é o segundo mês consecutivo de subida.

Já nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro foi 0,692% (0,665% no período precedente).

Segundo o gabinete de estatística, para o destino de financiamento aquisição de habitação, o mais relevante no conjunto do crédito à habitação, a taxa de juro implícita para o total dos contratos subiu para 0,821% (+0,2 p.b. face a outubro). E, nos contratos celebrados nos últimos três meses, o crescimento da taxa de juro foi de 2,4 p.b. face ao mês anterior, fixando-se em 0,682%.

Considerando a totalidade dos contratos, o valor médio da prestação subiu dois euros, para 253 euros. Deste valor, 39 euros (15%) correspondem a pagamento de juros e 214 euros (85%) a capital amortizado. Nos contratos celebrados nos últimos três meses, o valor médio da prestação subiu 25 euros, para 315 euros.

Diz ainda o INE que, em novembro, o capital médio em dívida para a totalidade dos contratos subiu 396 euros face ao mês anterior, fixando-se em 58084 euros. Para os contratos celebrados nos últimos três meses, o montante médio do capital em dívida foi 118693 euros, mais 207 euros que em outubro.