Internacional

"Soube sempre pôr em prática a sua crença na igualdade dos seres humanos". Portugal apresenta condolências pela morte de Desmond Tutu

O arcebispo e Nobel da Paz morreu, este domingo, aos 90 anos. O ministro dos Negócios Estrangeiros lembrou o “líder religioso e cívico” que “soube sempre pôr em prática a sua crença na igualdade dos seres humanos”. Já Marcelo evocou o “lutador maior pela justiça social, direitos humanos, liberdade e pluralismo na África do Sul”. 


O Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) e o Presidente da República apresentaram, este domingo, condolências pela morte do arcebispo e Nobel da Paz Desmond Tutu.

Numa publicação, na rede social Twitter, o ministério tutelado por Augusto Santos Silva destacou o “líder religioso e cívico” que “soube sempre pôr em prática a sua crença na igualdade dos seres humanos”.

“Lutou contra o apartheid, presidiu à Comissão da Verdade e Reconciliação. Nobel da Paz, agiu em nome da paz, do pluralismo e da dignidade humana”, acrescenta a nota.

“Com Nelson Mandela, Desmond Tutu imaginou e construiu uma África do Sul onde todos cabem e todos são iguais. Portugal, que tem uma tão grande comunidade na África do Sul, lamenta a sua morte e apresenta condolências a todos os sul-africanos”, lê-se ainda.

Também o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, evocou o “lutador maior pela justiça social, direitos humanos, liberdade e pluralismo na África do Sul” e sublinha que o “Arcebispo emérito Desmond Tutu deixa um legado para toda a Humanidade”.

“A sua coragem contra o apartheid correu os quatro cantos do mundo, reconhecimento que lhe valeu o Prémio Nobel da Paz em 1984. As marchas pacíficas que liderou mudaram mentalidades e tocaram fundo as consciências internacionais, a sua liderança na Comissão de Verdade e Reconciliação permitiu à nova democracia sul-africana uma amplitude moral e inclusiva, onde se integrava também a comunidade portuguesa, cuja consolidação resultava já do peso histórico pelo exemplo de Nelson Mandela.”, lê-se numa nota publicada no site da Presidência da República.

Na ótica do chefe de Estado português, o arcebispo “foi uma das grandes figuras” daquele que foi “um século maldito em tantos aspetos, mas com marcos de superação e exemplos de humanismo que prevalecem nas nossas memórias”.

“Cabe a todos nós, líderes do século XXI, sabermos preservar as lições intemporais que gigantes pela paz, como o Arcebispo Tutu, nos deixaram”, reitera.

Notícia atualizada às 15h42.

Os comentários estão desactivados.