Internacional

Organização de Cooperação de Xangai (OCS) quer contribuir para a paz no mundo

Xi Jinping defendeu o "espírito de Xangai", apresentando "propostas de cinco pontos" sobre o desenvolvimento futuro da OCS.


"Dar mais e maiores contribuições para uma paz duradoura e para a prosperidade no mundo" – eis o objetivo da Organização de Cooperação de Xangai (OCS), como sublinhou o Presidente chinês no discurso que proferiu na 21ª reunião do Conselho de Chefes de Estado daquela organização.

Xi Jinping defendeu o "espírito de Xangai", apresentando "propostas de cinco pontos" sobre o desenvolvimento futuro da OCS: "Seguir o caminho da unidade e cooperação, da partilha de segurança, da abertura e integração, da aprendizagem e apreciação mútuas".

Esta proposta do Presidente Xi Jinping não só aponta o caminho para o desenvolvimento futuro da SCO, mas também parece demonstrar o empenho da China em promover a cooperação regional e internacional.

Este ano marca o 20º aniversário da criação da OCS, constituída por China, Rússia, Cazaquistão, Quirguistão, Tajiquistão e Uzbequistão

Ao longo destas duas décadas, os Estados membros da OCS têm seguido o "Espírito de Xangai", que se baseia na confiança, benefício mútuo, igualdade, consulta, respeito pelas diversas civilizações e a busca de um desenvolvimento comum.

Segundo Xi Jinping, a tarefa mais urgente agora é combater a pandemia, "promover a distribuição justa e razoável de vacinas e resistir à politização do vírus". Assim, anunciou que a China vai fornecer 2 mil milhões de doses de vacinas ao mundo ao longo do ano.

Face às grandes mudanças na situação no Afeganistão, Xi Jinping apelou aos estados-membros para fortalecerem a sua colaboração no sentido de promoverem uma transição suave naquele país, para que entre no caminho da paz, estabilidade e desenvolvimento, já que isso é também muito importante para a manutenção da segurança regional e mundial.

 

 

 

Os comentários estão desactivados.