Internacional

ECDC propõe alterar as orientações de quarentena e isolamento em caso de infeção com covid-19

A entidade europeia está "atualmente a rever as orientações de isolamento para casos de covid-19 e a fazer uma análise mais especializada da literatura disponível sobre carga viral e alívio [do isolamento]", sublinhando que, por enquanto, "não existem provas que permitam diminuir o período de isolamento" de indivíduos não vacinados contra a covid-19. 


O Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC) indicou, esta sexta-feira, que as atuais orientações para quarentena e para isolamento de contactos de alto risco e infetados com covid-19 são "limitadas" e por isso sugeriu adaptar as respetivas diretrizes. A atualização será publicada em breve. 

Para o ECDC, as orientações devem ser seguir uma "abordagem pragmática", tendo em consideração "a necessidade de sustentar funções críticas" como risco adicional de transmissão, a situação epidemiológica local, a capacidade de teste e rastreamento de contacto e os efeitos socioeconómicos da pandemia num ambiente específico, indicou a entidade num documento divulgado pela mesma. 

"A quarentena é uma medida para manter as pessoas que estiveram em contacto com alguém com covid-19 separadas de outras, para evitar transmissão. Isolamento refere-se à separação de pessoas com covid-19 confirmado ou suspeito de outras, durante o período de infeção", notou o ECDC, ao estabelecer que, na orientação de quarentena padrão, os não vacinados contra a covid-19 deverão ser testados imediatamente após identificação e sujeitos a uma quarentena de 10 dias. No entanto, além do teste obrigatório, deverão cumprir quarentena de 14 dias, se não forem testados ao décimo dia.

Já para os vacinados, o ECDC sugere teste e quarentena imediata, teste de antigénio ou PCR entre dois e quatro dias após um resultado negativo, automonitorização dos sintomas, uso de máscara, manter a distância de segurança e evitar o contacto com pessoas vulneráveis. Ou seja, para esta entidade, tanto os vacinados como não vacinados deverão ser testados com testes de antigénio ou PCR.

"O ECDC está atualmente a rever as orientações de isolamento para casos de covid-19 e a fazer uma análise mais especializada da literatura disponível sobre carga viral e alívio [do isolamento]. Para indivíduos não vacinados contra a covid-19, não existem provas que permitam diminuir o período de isolamento", referiu a agência europeia, numa resposta escrita enviada à agência Lusa.

Caso os sistemas de saúde comecem a sentir uma pressão alta, o ECDC propõe que, além da testagem, os não vacinados deverão ficar de quarentena durante sete dias com teste no último dia. Se não realizarem o teste no sétimo dia, a entidade sugere mais três dias de isolamento. Já para os vacinados, mantém-se a ordem proposta para a orientação padrão.

Já numa situação de pressão alta nos sistemas de saúde, o ECDC indica que os não vacinados devem ficar em quarentena durante cinco dias, fazendo teste ao quinto dia e mais cinco dias com máscara de alta eficiência (FFP2). No caso dos vacinados, é proposto 10 dias de máscara de alta eficiência (FFP2), sem quarentena, teste ao quinto dia, automonitorização uso de máscara, manter a distância de segurança e evitar o contacto com pessoas vulneráveis.

Quanto à tabela de opções para o isolamento de trabalhadores essenciais, a entidade de saúde afirma que, segundo a orientação padrão, os não vacinados devem ficar 10 dias em isolamento após os sintomas e resolução da febre em 24 horas. Para os vacinados, os critérios são a resolução da febre em 24 horas e melhora clínica dos sintomas e seis dias de isolamento após o início dos sintomas. Notar ainda que a pessoa, ao estabilizar a sua febre, deve ter dois testes negativos consecutivos, de amostras respiratórias, com intervalo mínimo de 24 horas

No que diz respeito a um caso de elevada pressão sobre os sistemas de saúde, o ECDC sugere cinco dias de isolamento para não vacinados após o início dos sintomas e um teste negativo ao quinto dia. Aos vacinados deve ser exigido três dias de isolamento após o início dos sintomas e mais três dias de uso de máscara FFP2, além de um teste ao terceiro dia.

Numa fase de pressão extrema, o ECDC mantém os mesmos pontos da "alta pressão", quer para vacinados, quer para não vacinados.

De referir que o ECDC não recomenda menos tempo de isolamento para não vacinados contra a covid-19, mas admite-o para os inoculados, ainda que, quanto mais curto for este período, maior será o "risco residual".

Este documento surge depois da Direção-Geral da Saúde, em Portugal, ter atualizado na quarta-feira as normas que reduzem o período de isolamento para as pessoas assintomáticas que testam positivo ao vírus e têm doença ligeira, bem como para os contactos de alto risco.

Os comentários estão desactivados.