Economia

Exportações cresceram 15,7% em novembro

Já as importações registaram um aumento de 32,3% no mesmo mês, revela o INE.

Exportações cresceram 15,7% em novembro

As exportações e as importações de bens registaram crescimentos homólogos de 15,7% e de 32,3%, respetivamente em novembro deste ano, revelou esta segunda-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Crescimento que se sente também face a 2019 com as exportações a crescerem 15,1% e as importações a aumentarem 17%. O INE destaca os acréscimos nas exportações e importações de fornecimentos industriais (+40,9% e +47,3%, respetivamente) e nas importações de combustíveis e lubrificantes (+44,9%).

Excluindo combustíveis e lubrificantes, as exportações e as importações aumentaram 15,9% e 23,7%, respetivamente, avança o gabinete de estatística, acrescentando que, em comparação com novembro de 2019, as exportações aumentaram 18,9% e as importações cresceram 14%.

Já o défice da balança comercial de bens aumentou 1162 milhões de euros face ao mês homólogo de 2020 (aumentou 389 milhões de euros em relação a novembro de 2019), atingindo 2097 milhões de euros em novembro do ano passado. “Excluindo combustíveis e lubrificantes, o défice atingiu 1344 milhões de euros (um aumento de 574 milhões de euros face a 2020 e uma diminuição de 43 milhões de euros em relação a 2019)”, acrescenta o INE.

Feitas as contas ao trimestre terminado em novembro de 2021, as exportações de bens aumentaram 9,3% e as importações cresceram 22,5% em relação ao mesmo período de 2020. E comparando com o trimestre terminado em novembro de 2019, as exportações e as importações aumentaram 8,4% e 9,8%, respetivamente.

Já no período acumulado de janeiro a novembro do ano passado e face ao mesmo período de 2019, as exportações aumentaram 5,2% (+17,6% face ao mesmo período de 2020) e as importações cresceram 0,9% (+19,5% face a 2020), “salientando-se em ambos os fluxos o acréscimo nos fornecimentos industriais (+12,2% e +19,9%, respetivamente) e o decréscimo no material de transporte (-11,0% e -32,3%, pela mesma ordem)”.

Os comentários estão desactivados.