Internacional

Vidas de afegãos LGBT "pioraram dramaticamente" sob o domínio dos Talibãs, diz relatório

Maioria dos vizinhos do Afeganistão também criminalizam as relações entre pessoas do mesmo sexo.


As vidas das pessoas LGBTQIA+ no Afeganistão "pioraram dramaticamente" sob o domínio dos Talibãs, segundo um novo relatório da Human Rights Watch (HRW) que registou cerca de 60 casos de violência dirigida contra pessoas queer desde agosto de 2021.

"As coisas foram sempre difíceis", disse Heather Barr, diretora associada da divisão dos direitos das mulheres da HRW. "Mas as pessoas tinham encontrado formas de sobreviver e de construir comunidade e de se apoiarem mutuamente, e tinham esperança de que as coisas estavam a melhorar gradualmente. A 15 de Agosto, tudo isso acabou".

A homossexualidade foi banida sob Ashraf Ghani, o presidente deposto do Afeganistão, e punida com prisão. No entanto, o relatório da HRW diz que os Talibãs "juraram tomar uma linha dura contra os direitos das pessoas LGBT".

"Falámos com afegãos LGBT que sobreviveram a violações de gangues, ataques da máfia, ou foram caçados pelos seus próprios familiares que se juntaram aos Talibãs, e não têm esperança de que as instituições estatais os protejam", disse J Lester Feder, membro sénior da investigação de emergência da OutRight Action International, que contribuiu para o relatório. "Para aqueles LGBT que querem fugir do país, há poucas boas opções. A maioria dos vizinhos do Afeganistão também criminalizam as relações entre pessoas do mesmo sexo. É difícil exagerar o quão devastador – e aterrador – tem sido para os afegãos LGBT o regresso dos Talibãs".

Os comentários estão desactivados.