Internacional

Profissionais de saúde da Índia alegam fraude generalizada no certificado de vacinas

Governo tinha fixado um prazo até ao final de 2021 para que todas as pessoas na Índia fossem vacinadas.


Profissionais de saúde na linha da frente do programa de vacinação contra a covid-19 da Índia dizem que as pessoas estão a ser oficialmente registadas como duplamente vacinadas sem receberem ambas as doses devido à pressão para cumprirem os objectivos governamentais.

Os profissionais descreveram o quão fácil era registar as segundas doses de vacina para pessoas que não compareceram a consultas, utilizando registos pessoais da sua primeira dose e optando por contornar um código enviado para o seu telemóvel.

"Não há qualquer falha técnica", disse Aditya, um trabalhador da saúde de Uttar Pradesh que solicitou que apenas o seu primeiro nome fosse utilizado devido ao medo de represálias, diz ao The Guardian. "A questão é a pressão sem precedentes sobre nós para aumentarmos o número de pessoas vacinadas".

O estatuto vacinal de todos os cidadãos é registado numa plataforma construída pelo governo chamada CoWIN. Os certificados de vacinação CoWIN são globalmente reconhecidos e tornam as pessoas elegíveis para viagens interestaduais e internacionais, incluindo para países que só aceitam passageiros totalmente vacinados.

O governo tinha fixado um prazo até ao final de 2021 para que todas as pessoas na Índia fossem vacinadas. Não conseguiu. De acordo com estatísticas oficiais, 75% da população adulta já tomou duas doses. Na semana passada, o primeiro-ministro, Narendra Modi, disse que estava "orgulhoso" de todos aqueles que estão a fazer com que vacinação no país "seja um sucesso".

Os comentários estão desactivados.