Internacional

Johnny Depp. De "agressor" a "agredido"?

A polémica já se arrasta desde 2016. Na semana passada Johnny Depp falou pela primeira vez em tribunal sobre a conturbada relação com Amber Heard. As revelações que fez estão a chocar o mundo.


Habituamo-nos a vê-los nas grandes telas e ficamos com a impressão de que os conhecemos. Muitas vezes, olhamos para os seus olhos e emocionamo-nos com os personagens a quem dão vida. E quando o filme se passa na vida real? Quando o rosto daqueles que estão habituados a “fazer de conta” se “despe” e só resta a pessoa atrás do artista? Quando, ao invés de se discutir um desempenho brilhante, o mundo pára para perceber o que se passou dentro das quatro paredes da casa onde vivem?

A fama tem um preço e Johnny Depp e Amber Heard têm-no pago bem alto. A história já se arrasta desde 2016, mas, só na semana passada é que o protagonista da saga de filmes Piratas das Caraíbas e estrela dos filmes de Tim Burton testemunhou pela primeira vez em tribunal contra Amber Heard, com quem esteve casado durante 15 meses, num julgamento por difamação. “Eu não merecia isto, nem os meus filhos, nem todas as pessoas que acreditaram em mim ao longo de todos estes anos. A verdade é a única coisa que me interessa. Hoje é realmente a minha primeira oportunidade para falar sobre este caso na sua total integridade”, referiu o ator no primeiro dia de julgamento que decorreu na terça-feira, dia 19 de abril.

Em 2018 Amber Heard tinha escrito no The Washington Post um depoimento que dava conta da sua experiência de violência doméstica: “Nunca o nomeei, escrevi sobre o preço que as mulheres pagam por falar contra os homens no poder. Continuo a pagar esse preço, mas espero que quando este caso termine, eu possa seguir em frente e o Johnny também”. O ator afirma que o artigo levou a pesadas perdas financeiras, incluindo ter sido afastado de inúmeros trabalhos, incluindo a saga em que deu vida ao famoso Capitão Jack Sparrow, e por isso pede uma indemnização de 50 milhões de dólares (cerca de 46 milhões de euros).

Agora, as suas declarações têm surpreendido o mundo e feito correr muita tinta, já que na primeira sessão do processo – que acontece no estado da Virgínia e está a ser transmitido ao vivo – Depp garantiu que “nunca bateu em nenhuma mulher”. Mais: alega que foi ele a vítima de violência doméstica durante o casamento e descreveu vários episódios macabros de violência.

 

Do sonho ao pesadelo

Depp e Amber conheceram-se durante as filmagens do filme O Diário a Rum, em 2009. Casaram-se em 2015 e divorciaram-se em maio do ano seguinte, com uma ordem de restrição para colocar um travão nas agressões físicas e verbais do ator, acentuadas pelos seus problemas com drogas e álcool. Ainda assim, na altura, num comunicado conjunto que enviaram à imprensa após o fim do casamento, reconheceram ter tido uma “relação apaixonada e volátil em determinadas ocasiões, mas sempre marcada pelo amor”.

Na sua declaração de terça-feira, o ator falou sobre o início da relação: “Pelo que me lembro, ela era boa demais para ser verdade”, afirmou definindo Heard como uma mulher “simpática e inteligente”. Contudo, rapidamente a relação se terá tornado “abusiva” e “cheia de comportamentos humilhantes repletos de intimidação e insultos degradantes”. O ator reconheceu que durante o relacionamento os dois tiveram várias discussões, contudo nega totalmente as acusações de abuso, garantindo que foi Amber quem o submeteu a constantes “abusos físicos e psicológicos” como socos, chapadas e empurrões. “Parecia puro ódio contra mim”, alegou Depp. “Se eu ficasse a discutir, tinha a certeza de que acabaria em violência! Aconteceu muitas vezes!”, sublinhou.

Posteriormente, a pedido da sua defesa, o ator passou a descrever vários episódios violentos de Amber Heard, às vezes “em frente aos filhos”. “Podia começar com um chamada, com um empurrão... Podia começar com um comando de televisão, ou um copo de vinho na minha cabeça”, exemplificou. Segundo o seu relato, para se defender dessas “explosões de raiva”, o artista chegava a trancar-se no quarto ou casa de banho. Depp disse que durante uma discussão, um mês após o casamento – em março de 2015 – Heard lhe atirou uma garrafa de vodka. Felizmente falhou e acertou na parede. A segunda garrafa, porém, maior, acertou-lhe na mão, decepando-lhe a ponta do dedo médio da mão direita. Além disso, a estrela de Hollywood confessou que, na altura, devia estar “à beira do colapso”, pois usou o sangue para escrever na parede lembretes das “mentiras” que Heard lhe tinha contado.

Apesar disso, segundo o tribunal, nos registos hospitalares não aparece qualquer referência a uma garrafa, tendo o ator afirmado ao médico que havia entalado o dedo numa porta. “Menti porque não queria revelar que tinha sido a Sr.ª Heard que me tinha atirado uma garrafa de vodka e me tinha tirado o dedo. Não queria arranjar-lhe problemas”, alegou. No ano passado, no processo que decorreu no Reino Unido e que Depp acabou por perder, a atriz negou alguma vez ter-lhe atirado com uma garrafa ou causado a dita lesão. Na altura, defendeu que só atirou coisas “para escapar” quando o ator lhe batia e que, uma vez, lhe deu um murro “porque temia que ele empurrasse a irmã por um lanço de escadas”.

 

Comportamentos “bizarros”

Outra das alegações feitas por Johnny Depp está relacionada com a rotina que a atriz tinha na altura do relacionamento, sempre que ele chegava a casa: “Eu trabalhava bastante e quando voltava do trabalho entrava em casa, ela dava-me um copo de vinho, tirava as minhas botas e arrumava-as”, disse. “Nunca tinha experienciado uma coisa assim na minha vida. Mas tornou-se uma coisa normal, uma espécie de rotina”, explicou. No entanto, houve um dia em que o norte-americano de 58 anos a quebrou e as coisas ficaram “feias”. “Uma noite, cheguei a casa e ela estava ao telemóvel. Tirei as minhas botas e de repente a Amber aproximou-se e perguntou exaltada: ‘O que é que acabaste de fazer? O que fizeste?’”, contou. Segundo ele, quando tentou explicar que o fez porque ela se encontrava ocupada, a reação foi de alguma violência. “Uma vez que percebes algo deste género, começas a reparar noutras coisas que surgem. Num ano e meio ela tornou-se outra pessoa”, lembrou o ator. Além disso, contou Depp, Amber ficava muito zangada se o ator não fosse dormir ao mesmo tempo que ela. “Eu não percebia porque é que um homem na casa dos 50 anos não podia dormir quando quisesse”, afirmou.

Mas as alegações foram além disso. O artista recordou ainda a sua reação ao ver uma fotografia de “matéria fecal humana” na sua cama. O incidente terá acontecido após uma discussão pelo facto de ter chegado mais de uma hora atrasado ao 30º aniversário da mulher no dia 21 de abril de 2016, numa das suas casas em Los Angeles. Depp explicou que tinha estado numa reunião com os seus consultores financeiros devido a uma “quantidade excessiva de dinheiro que tinha desaparecido”. Que foi avisando, ao longo do dia, que provavelmente se atrasaria. Em resposta, a atriz pediu-lhe “para preparar vinho e canábis para a festa”. Durante a festa, explicou, pouco falaram e no final, depois de uma discussão com agressões físicas à mistura, o ator decidiu ir para Hollywood Hills. Dias depois, ao saber que Heard ia com os amigos para o festival de Coachella, pensou que seria o “momento perfeito para regressar à casa e trazer os seus pertences”. No entanto, o seu guarda-costas, Sean Beatt defendeu ser uma má ideia, mostrando-lhe uma fotografia enviada pela sua governanta: “Era uma fotografia da cama, a nossa cama. E do meu lado da cama havia matéria fecal humana”, contou. Segundo o relato de Depp, a atriz terá tentado culpar os cães do ator, Pistol e Boo, pelo incidente. Apesar disso, Johnny Depp acredita que essa não passa de uma explicação “absurda”: Eles são Yorkies [Yorkshire Terrier] miniatura. Pesam cerca de 4 quilos cada um. Eu vivi com eles, agarrei nos seus dejetos. Não foram os cães!”, defendeu, sublinhando que acredita que Amber Heard ou um dos seus amigos “defecaram na sua cama naquele dia”.

Ao longo destes dias o júri ouviu provas apresentadas pelo antigo terapeuta do ex-casal, que descreveu como ambos se envolveram em “abusos mútuos”. Debbie Lloyd, uma enfermeira que foi contratada para tratar da toxicodependência de Depp e que assistiu ao casamento do casal, também testemunhou que, por vezes, Amber discutia com o ex-marido enquanto o ator recebia tratamento médico. Keenan Wyatt, um técnico de som que trabalhou com o artista em quase todos os seus filmes desde os anos 90, garantiu nunca o ter visto a abusar verbal ou fisicamente de ninguém, nem dos dois filhos nem da ex-mulher, Vanessa Paradis. Entre as testemunhas está também Kate James, que trabalhava como assistente pessoal de Heard e que retratou a atriz como uma pessoa “instável”, que chegou a cuspir-lhe na cara após uma discussão e se comportou de forma “verbalmente abusiva’’ com a sua equipa.

Depois do processo do ano passado, Heard alega que o ator lançou uma campanha de difamação contra si e, por isso, reivindica 100 milhões de euros, o equivalente a 92 milhões de euros. Enquanto isso, Depp continua a defender a sua versão com a ajuda do seu advogado num julgamento que se estima que se prolongue por cerca de seis semanas.

Os comentários estão desactivados.