Sociedade

Ministra diz que caso da menina que morreu em Setúbal é "algo que choca todos"

Mariana Vieira da Silva afirmou que existem possíveis falhas no sistema de proteção de crianças que devem ser identificadas e corrigidas.


A ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, afirmou que o caso da menina de três anos que morreu depois de ter sido raptada em Setúbal é “algo que choca todos”.

A declaração da governante surgiu, esta quinta-feira, na conferência de imprensa, após o Conselho de Ministros, onde defendeu que existem possíveis falhas no sistema de proteção de crianças que devem ser identificadas e corrigidas.

“Obviamente, aquilo que aconteceu é algo que choca todos, qualquer um de nós, e depois o caso em concreto tem o local próprio para ser investigado, para procurarmos sempre identificar as falhas no sistema - e não relativamente ao caso concreto - para que possam ser corrigidas”, considerou Mariana Vieira da Silva.

Ainda assim, a ministra salientou o trabalho desenvolvido pelo Governo, sobretudo na proteção de crianças em contexto de violência doméstica.

O crime foi perpetuado esta segunda-feira, quando o corpo da menina Jéssica deixou de conseguir resistir a uma série de maus-tratos cometidos nos últimos dias. 

A criança de três anos foi raptada como forma de retaliação por parte de uma mulher, à qual a mãe de Jéssica estaria a dever dinheiro por alegadas "consultas de bruxaria". 

Num comunicado divulgado esta manhã, a Polícia Judiciária indica que deteve um homem de 58 anos e duas mulheres, uma de 52 e outra de 27 anos, "por sobre eles recaírem fortes indícios da prática dos crimes de homicídio qualificado, ofensas à integridade física grave, rapto e extorsão" na sequência da morte de Jéssica.

Apesar de a autoridade judiciária não revelar a identidade dos detidos, as informações obtidas pela comunicação social apontam para que sejam a mulher e suposta ama que terá raptado Jéssica, o marido e a filha. 

Os comentários estão desactivados.