Opiniao

Alguns Aspetos do SPECTRE e as Cripto Moedas

O valor do Bitcoin continua a cair. No seu valor mais alto em novembro de 2021, o seu valor unitário atingiu US$ 69.000, mas desde então diminuiu 67% para um valor inferior a US$ 20.000

Alguns Aspetos do SPECTRE e as Cripto Moedas

por Roberto Cavaleiro

Em termos gerais, a valorização do mercado de cripto moedas caiu de US$ 3 trilhões para cerca de US$ 950 bilhões e não há razão para acreditar que esse correr para o precipício do desastre financeiro não continuará.

Em todo o mundo, os pequenos investidores têm boas razões para lamentar o dia em que foram convencidos por propagandistas especialistas e influenciadores famosos a participar em esquemas de estilo Ponzi que seguem um percurso frenético 24 horas por dia, 7 dias por semana, praticamente sem órgão regulador para combater fraudes. Somente nos EUA, os reguladores dizem que quase 50.000 cidadãos relataram perder o equivalente a um bilhão de dólares durante o ano passado devido principalmente à manipulação de mercado por grandes investidores como Elon Musk, Ron Paul, John McAfee e outros fervorosos devotos do Movimento Libertário. . Eles foram ajudados nisso pela suposta boa reputação dos departamentos de investimento altamente agis criados para negociar  cripto-ativos pelos corretores de   Black Rock, Goldman Sachs, Morgan Stanley, PayPal e  os fundos de hedge de Three Arrows.

A volatilidade do Bitcoin e a natureza especulativa das suas transacções tornam-no particularmente vulnerável a fraudes criminosas e manipulação de mercado pelos poderosos magnatas conhecidos no jargão criptográfico como “whales”. No final de 2021, de vinte milhões de contas apenas duas mil detinham 42% da riqueza total. Numa intervenção infame, Elon Musk anunciou um investimento de US$ 1,5 bilhão em Bitcoin para facilitar a compra de veículos Tesla usando criptomoedas, causando um aumento imediato no seu valor. Este foi drasticamente reduzido quando, alguns dias depois, ele reverteu a sua decisão, causando grandes perdas aos muitos pequenos investidores que foram atraídos a se separar das suas economias.

Há catorze anos, um grupo de millennials de olhos brilhantes, conhecidos colectivamente como Satoshi Nakamoto, introduziu um esquema estruturado para a introdução da moeda digital que visava reduzir os custos das transferências de dinheiro cortando os sistemas bancários privados e, consequentemente, o controlo exercido por bancos centrais. Para alcançar esse objectivo aparentemente louvável, um sistema técnico complexo foi inventado pelo qual o dinheiro digital poderia ser produzido por computadores especializados conectados em “mining farms”. Estes têm sido severamente criticados ambientalmente pelo seu colossal consumo de electricidade, a consequente emissão de CO2 e uma vida curta devido ao calor e desperdício de materiais. Só assim poderia ser alcançada a criação de blockchains seguros, com cada unidade a ser utilizada para registar até duas mil transacções com anonimato garantido para os participantes. Seis novos blocos são produzidos e registados a cada hora criando assim valores de Bitcoin até que o limite finito de 21 milhões de unidades seja atingido.

Por outro lado, o Ethereum pode ser extraído usando um PC normal, mas requer uma placa gráfica muito poderosa que tem produção limitada, portanto, diante da alta demanda, os custos operacionais aumentaram em espiral. Isso também se aplica a outras moedas estáveis ​​que estiveram em alta demanda até que, como estrelas cadentes, caiam na terra.

O sucesso inicial da Bitcoin logo resultou numa competição acirrada e na formação de uma entusiástica comunidade de criptomoedas que apoiou um crescimento de consultores comerciais com pouco conhecimento dessa indústria digital inovadora. Muitos tinham entre 15 e 25 anos e estavam encantados com os novos horizontes para o futuro mundo cibernético financeiro, que prometia enriquecimento precoce em troca de competência. Esse idealismo logo foi combatido pela invasão de organizações criminosas globais que rivalizavam como a SPECTRE na sua gama de  atividades fraudulentas mas sem nenhum James Bond para ajudar o FMI a desafiar as muitas plataformas de comércio falsas envolvidas em lavagem de dinheiro, manipulação de preços e inundação de mercados com informações e estatísticas falsas.

No ano passado, a China proibiu todas as suas instituições financeiras de negociar com moedas criptográficas de estilo ocidental e fechou à força as “mining farms” que surgiram perto das principais cidades. É relatado que tanto a Índia quanto a Rússia podem seguir o exemplo em breve. Mas isso provavelmente é apenas um prelúdio para a formação dos seus próprios mercados de blockchain que criariam um bloco oriental muito poderoso, capaz de combater sanções e outros movimentos punitivos. Já vimos um crescimento de 5% em maio para 40% em junho para a importação pela Índia através de fronteiras porosas de produtos energéticos russos e sua reexportação para países ocidentais.

Oligarcas em todo o mundo optaram por beneficiar do sigilo e da evasão fiscal de manter parte de seus ganhos ilícitos na Crypto. Isso pode ter contribuído para a falha em 12 de junho do cripto banco Celsius, que desencadeou os atuais efeitos adversos na liquidez. As plataformas Finblox, Bancor e Voyager ofereciam 12% de retorno sobre depósitos de cripto-moedas, antes de reprimir severamente os limites de retirados diários, culpando a exposição a fundos de hedge, como Three Arrows Capital, que está em dificuldade com o pagamento de empréstimos de curto prazo.

Em Portugal, as referências são inevitavelmente feitas no mesmo fôlego aos  Golden Visas e Crypto Assets. Presentemente, as transacções imobiliárias devem ser registadas por cartórios em euros, mas actualmente existe uma proposta absurda de admitir moedas digitais para escrituras de transferência para que compradores estrangeiros  beneficiem da evasão do Imposto sobre Ganhos de Capital e outros benefícios do anonimato.

Não pode haver dúvida de que a criação e gestão de activos criptográficos veio para ficar, mas, até agora, não parece haver nenhuma maneira eficaz pela qual a regulamentação possa actuar nas actividades clandestinas para a protecção dos cidadãos; especialmente quando tantos governos são ditaduras ou compostos por elementos da máfia. Mas este espectro de delinquência financeira deve ser combatido rapidamente e com firmeza se quisermos evitar outro desastre semelhante ao de 2008 . Volte ao palco 007!

Roberto Cavaleiro      Tomar    29 Junho 2022   

 

Os comentários estão desactivados.