Opiniao

Como é diferente o amor em Portugal

Um governo não é uma associação recreativa nem um bar do Bairro Alto de onde se pode vir com o corpo cheio de facadas.


Talvez não nos deixe satisfeitos, mas não resistimos a uma comparação.

Comecemos pela base igual.

O Reino Unido é uma democracia, tem regularmente eleições e, consegue um governo eleito com maioria absoluta.

Tem um Parlamento, um primeiro-ministro e um governo.

Aqui acabam as coincidências.

O Reino Unido é uma monarquia, tem a mesma Rainha há muitos anos que convive com todos os governos e é capaz de tomar uma refeição com o Paddington.

Nós, não. Temos um Presidente da República eleito, num sistema semi-presidencialista, que sonha ser a Rainha de Inglaterra.

O Parlamento britânico fiscaliza ativamente o Governo, interpela-o direta e repetidamente, avalia e verbera os comportamentos do primeiro-ministro.

De tal sorte que, de quando em vez, os parlamentares da maioria votam contra ele no exercício da sua independência.

Aqui, tem dias, como o Brilhante.

Algum tempo atrás o principal partido da oposição reduziu a exigência dos debates com o governo.

Hoje, o partido do Governo votou contra a audição de um ministro depois de um inacreditável episódio sobre os aeroportos ‘to be’.

O primeiro-ministro britânico levou o país ao Brexit, afastou-se da União Europeia.

O português não. É visto a circular pelos corredores, manifesta um crescente interesse, algumas vozes dizem que vê nela o seu futuro político.

O primeiro-ministro britânico é um entusiasta da NATO, fornece ajuda militar e treino à Ucrânia percebe-se que é ouvido nas reuniões da organização.

O primeiro-ministro de Portugal não tem dinheiro para enviar os blindados, embora requestado, sendo certo que se trata de material de origem americana deixado a ganhar teias de aranha em Portugal.

O primeiro-ministro de Portugal é fotografado num lugar de topo da mesa, sozinho e abandonado num jantar da importantíssima reunião de Madrid.

Consta que o que queria dizer era importante mas ninguém o conseguiria ouvir.

O governo inglês tem problemas, tem crises, tem momentos de divergência, tem desamores.

Quando isso acontece, os Ministros saem, demitem-se, declaram a sua falta de confiança no primeiro deles, confessam o seu desapego e os que ficam calam-se.

Um governo não é uma associação recreativa nem um bar do Bairro Alto de onde se pode vir com o corpo cheio de facadas.

Aqui, os ministros falham e ficam e ficam e falham.

É possível que um belo dia, um deles resolva borrifar-se em todos os outros, mandar às malvas o primeiro dos ministros, despachar sem dar disso conhecimento, discordar do pronunciamento do Governo, constituir-se em primeiro alternativo.

Não passará de um arrufo.

Não sai porque não quer. Retrata-se. Descobre que o primeiro dos ministros o ama apesar de tudo e não pode viver sem ele.

Logo ele por quem passa a tragédia da TAP, ele que não tinha intuído a gravidade de quanto se passa nos aeroportos, ele que transporta o pesadelo no qual se transformaram os sonhos dos novos aeroportos a construir, ele que decide sem estudos, nem números, nem com nem senso.

E é ainda mais extraordinário que uma outra ministra solidária declare que teve o seu coração apertado por um dia sem saber o que iria acontecer.

Numa palavra: amor.

Comparando com o Reino Unido, como é diferente o amor em Portugal.

Os comentários estão desactivados.