Opiniao

Socialismo, Semitismo e os Cismas de 1945

É surpreendente que nada menos que 10% dos 603 candidatos apresentados pelo Partido Trabalhista nas eleições gerais de 05 de julho de 1945 fossem judeus professos.

Socialismo, Semitismo e os Cismas de 1945

por Roberto Cavaleiro

No rescaldo do Dia da Vitoria na Europa, as forças aliadas enfrentaram a enorme tarefa humanitária de abrigar, alimentar e vestir os deslocados que ficaram desamparados e sem rumo. O número de tais deslocados dentro das fronteiras da Alemanha pós-guerra foi estimado em pelo menos 3.000.000 e incluiu 85.000 sobreviventes judeus - menos de metade da comunidade central que estava lá no início da Segunda Guerra Mundial.

No entanto, apesar das revelações dos cinejornais do imenso sofrimento dos prisioneiros libertados dos campos de concentração do Terceiro Reich, pouca simpatia foi demonstrada ou ajuda dada e o seu júbilo inicial logo deu lugar ao desespero e ao desejo de se mudar para qualquer lugar fora do abismo europeu

O relatório oficial de Harrison divulgado pela Casa Branca em setembro de 1945 registou: “Na situação atual, parece que estamos a tratar os judeus como os nazis os trataram, exceto que não os exterminamos”. E, de fato, os judeus continuaram a viver em condições insalubres atrás de cercas de arame farpado e “guardados” pela polícia alemã que tinha sido rearmada com as mais recentes carabinas americanas.

Mas mais reveladora foi a declaração bem divulgada do general Sir Frederick Morgan, chefe das operações de socorro e reabilitação da ONU na Alemanha, que afirmou que a conversa sobre pogroms na Polónia era exagerada e que o grande número de “infiltrees” judeus reunindo-se em Berlim “não pareciam perseguidos; eles estão bem vestidos, bem alimentados, de bochechas rosadas e ricos.” Ele previu que “dentro de um ano haveria um núcleo duro de pelo menos 300.000 judeus na Alemanha, semeando assim as sementes da Terceira Guerra Mundial”. Em resposta aos protestos do Congresso Judaico Mundial e outros, Morgan foi suspenso e chamado de volta à sede da UNRRA em Washington, onde uma investigação conduzida por Herbert Lehman descobriu que ele “não era antissemita nem tinha preconceito racial ou político”.

Morgan parece ter sido influenciado na sua avaliação por relatos de que várias centenas de milhares de judeus de origem do leste europeu (que tinham fugido para a União Soviética em 1941 com os remanescentes do Exército Vermelho em retirada) estavam a tentar voltar para casa e recuperar a posse das suas propriedades. Eles serviram bem aos soviéticos; 124.800 receberam condecorações que vão desde a Ordem de Lenin até o mais alto status de Heróis da União Soviética por serviços no esforço de guerra, tanto como gerentes de fábrica quanto como combatentes. Agora eles tornar-se-iam os administradores dos países reocupados. No que restou da Polónia dilacerada pela guerra, eles foram mal recebidos e foi relatado que mais de duzentos foram exterminados por elementos da ala paramilitar do partido nacionalista ENKAN enquanto outros judeus que tinham sido “libertados” das provações dos campos morreram de desnutrição.

Era o mesmo movimento ENKAN que controlava o governo polaco no exílio e o seu Exército Livre sedeado na Escócia. Apesar do seu famoso antissemitismo, judeus adultos que tinham chegado à Grã-Bretanha por rotas tortuosas foram convocados, como cidadãos da Polónia, para essas bases. No início de 1944, mais de trezentos se rebelaram contra os insultos e a repressão e solicitaram que fossem assimilados ao exército britânico. Alguns foram admitidos principalmente em funções de Inteligência, mas quase todos foram condenados a duras penas de prisão. Foi apenas pela intervenção de Tom Driberg M.P. que as autoridades foram persuadidas a usar o seu trabalho como Bevin Boys nas minas de carvão e para outras tarefas não combatentes.

O antissemitismo na Grã-Bretanha estava numa posição um tanto diferente daquela da judenhasse que era endêmica em toda a Europa continental. Estava confinado principalmente às áreas urbanas e baseado em suspeitas de que os judeus eram os “spivs” e parasitas dos mercados negros e estavam envolvidos em empréstimos de dinheiro extorsivos a viúvas e vítimas de guerra. Nos portos navais de Portsmouth e Chatham houve escândalos relativos às supostas atividades de fornecedores licenciados que subornaram oficiais da marinha para aceitar suprimentos de alimentos e equipamentos abaixo do padrão. Um conhecido advogado da rainha foi condenado por conspiração pelo “fornecimento ilegal de bens contrários aos regulamentos de guerra”

Em 1944, as comunidades judaicas reconhecidas na Grã-Bretanha somavam cerca de 400.000 almas. Destes, cerca de 60.000 eram vistos como um grupo elitista e muito rico, de herança principalmente sefardita, que durante três séculos exerceu uma influência muito superior ao seu número nos setores financeiro e comercial. Tinham assimilado bem na sociedade e nomes como Sassoon, Montefiore, d´Avigdor Goldschmid e, claro, Rothschild foram respeitados por sucessivos governos conservadores. Após a rescisão pelo Board of Deputies de seu acordo com a Anglo-Jewish Association sobre uma política comunal para “assuntos estrangeiros”, foi este grupo que formou a Jewish Fellowship. Eles deveriam seguir uma política de oposição à criação de um estado político judaico em qualquer lugar, ao mesmo tempo em que encorajavam um aumento da imigração para a Palestina, opondo-se diretamente às declaradas intenções sionistas do Board.

Nestas circunstâncias incertas, é surpreendente que nada menos que 10% dos 603 candidatos apresentados pelo Partido Trabalhista nas eleições gerais de 05 de julho de 1945 fossem judeus professos. Empunhando o manifesto socialista “Let us face the Future” e declarando sua intenção de servir aos eleitores com um programa de reforma social secular, eles conseguiram uma representação de 27 assentos e forneceram três ministros (George Strauss, Lewis Silkin e Emanuel Shinwell) para o governo liderado pelo astuto Clement Attlee. Dois judeus também foram eleitos como deputados; um conservador independente e Harry Pollitt um comunista. Nenhum dos candidatos da Jewish Fellowship foi bem-sucedido.

Durante a campanha eleitoral, propagandistas conservadores preocupados, lançaram rumores de que o Partido Trabalhista era filo-semita e sugeriram que o pró-sionismo defendido pela maioria dos candidatos se devia ao fato de serem descendentes dos “recém-chegados” : 200.000 da Europa Oriental durante os trinta anos de pogroms que precederam a Primeira Guerra Mundial e 70.000 da Europa Ocidental durante a década de 1930. Essas pessoas estabeleceram-se nos distritos operários de Londres e nos principais centros provinciais. Começando inicialmente como artesãos, eles gradualmente melhoraram a sua condição como empresários e proprietários de pequenas fábricas. A sua lealdade natural era à esquerda, mas os eleitores foram lembrados sombriamente de que o Politburo russo havia sido fundado pelos judeus Lenin, Trotsky e Zinoviev e sugeriram que o socialismo vermelho era o comunismo disfarçado e que a previsão do general Morgan deveria ser levada muito a sério.

A emigração de judeus para a Palestina sob mandato britânico foi limitada a 1.500 por mês, o que causou um fervilhante descontentamento. Os americanos, ansiosos para evitar um influxo para os EUA, pressionaram a Grã-Bretanha a aceitar imediatamente 100.000 deslocados a serem seguidos por outros grandes números até que todos os que desejassem deixar a Europa fossem acomodados. O secretário de Relações Exteriores britânico, Ernest Bevin, rejeitou isso por duas razões: (1) que uma onda tão repentina perturbaria todo o equilíbrio político do Médio Oriente e (2) que isso seria o cumprir do plano nazi de uma “Europa Livre de Judeus”. Em vez disso, ele propôs que a ajuda deve ser amplamente aumentada para permitir o reassentamento em antigas casas e que ex-campos de detenção do exército devem ser estabelecidos na ilha de Creta até um aumento gradual na cota mensal. As reações do Board of Deputies, da Anglo-Jewish Association e da Jewish Fellowship foram mistas, mas, após muito debate, chegou-se a um consenso para apoiar esta política como uma medida temporária até que as reparações do Eixo e a ajuda dos EUA pudessem melhorar as coisas .

Mas essas boas intenções foram encerradas com o assassinato e mutilação em julho de 1947 de dois sargentos do exército britânico por terroristas sionistas do gangue Irgun, que resultou em tumultos por cinco dias em toda a Grã-Bretanha com a destruição generalizada de propriedades judaicas e ataques á sua população. . Rapidamente, a Grã-Bretanha renunciou ao seu mandato e dez meses depois, em 14 de maio de 1948, foi criado o Estado de Israel.

N.B. Esta é uma versão revista de um ensaio escrito em 2020 para publicação num periódico internacional. Foi submetido agora ao SOL por causa da situação atual comparável na Europa, onde as “pessoas deslocadas” são representadas por refugiados de conflitos e por migrantes económicos.

Tomar, Portugal
22 de julho de 2022

Os comentários estão desactivados.