Cultura

Nicola Materazzi

1939-2022 -- O pai do Ferrari F40

Nicola Materazzi

A infância foi, em tempos, uma coisa meio descolada, muito longa e que já formava as crianças numa disciplina essencial, que era a paciência, a capacidade de encontrarem motivos com que se entreterem para escapar à sensação de serem esfoladas pelo tédio. Hoje começa a parecer estranho, mas não era invulgar os miúdos dedicarem-se a contar carros nalguma estrada que lhes rasgasse o quotidiano. E, para muitos de nós, era um deslumbramento de todo o tamanho ver passar um carrão. Pôr os olhos num Ferrari era motivo de festa, e alguns de nós íamos ao ponto de decorar as especificações técnicas, saber esse jargão e recitá-lo como se fosse uma ode à nossa vida futura com o desejo de ir à caça de horizontes profundos. Alguns ainda se lembram do Ferrari F40, que chegou ao asfalto em 1987, e que é tido como um dos melhores supercarros da história. Foram produzidas 1311 unidades do F40, que contava com painéis da carroçaria em material compósito, chassis tubular em aço e um motor de oito cilindros colocado a 90 graus com dois turbos a debitar 478 cv e 577 Nm. E o engenheiro que ficou conhecido como o «pai do Ferrari F40», Nicola Materazzi, morreu esta semana, no dia 23 de agosto, aos 83 anos.

Quando os miúdos ficam à janela a contar carros ou deitados na cama de noite a ver a luz dos faróis projetar-se no teto, o ronco dos motores entra em sintonia com o desejo de se alforriarem, fazerem-se à estrada. E um outro sinal de perda do horizonte, são esses miúdos vingando-se nos viadutos, a atirar pedras aos carros da autoestrada. Assim, participar no desenho e criação dos carros que mais fazem os putos sonhar significa, em certo sentido, trabalhar com a engenharia da própria infância e dos sonhos. E Materazzi parecia ter consciência do seu enorme privilégio, tendo-se distinguido numa indústria que está cheia de egos gigantescos, sendo um tipo bastante discreto, e que preferia não dar muito nas vistas, para não distrair o público daquilo que era essencial: a máquina. Este engenheiro italiano foi dos homens que mais fez para moldar o conceito de ‘supercarro’ ainda nos seus anos de formação, e depois deu ao asfalto essa veloz força de fascínio que marcou gerações.

Nascido em Caselle, perto de Nápoles, em 1939, Materazzi estudou nesta cidade e acabaria a dar aulas na universidade antes de se decidir a abandonar a vida académica na febril atmosfera dos anos 1960, em que o forte ambiente de contestação e os movimentos de estudantes, deixaram aquele mundo virado do avesso. A Lancia ofereceu-lhe um emprego, e ele mudou-se para norte, fixando-se em Turim, onde trabalhou sob o comando do grande engenheiro Francesco De Virgilio. Materazzi foi um dos pioneiros da tecnologia de turbo compressor, e ajudou a desenvolver, em 1977, o lendário Stratos de ralis, tanto a nível de motor, chassis e aerodinâmica. Nas duas décadas que passou na Lancia, ajudou ainda a desenvolver as versões de estrada do Flavia e do Fulvia, mas depois, trabalhou num carro para a Formula Dois car e simultaneamente integrou a equipa que estava a desenvolver o magnífico BMW M1 Procar, a série de apoio à Fórmula 1 de uma marca que levou muitos pilotos de F1 da época a conseguirem destaque nas competições.

Certo dia recebeu um telefonema de Enzo Ferrari, que o tranquilizou em relação à possibilidade da administração da Fiat vir a intrometer-se no seu trabalho, assegurando que não teria de responder a mais ninguém senão a ele. Ferrari conseguiu deste modo cativar o sr. Turbo para a sua equipa, e Materazzi melhorou drasticamente o motor do carro 126C F1 de 1981, e foi uma peça-chave para que a Ferrari se tornasse sinónimo de domínio absoluto no asfalto, com a marca a conquistar os títulos de construtores de F1 em 1982 e 1983.

Supervisionou ainda o desenvolvimento do 288 GTO, originalmente concebido como carro de rally para o Grupo B, mas que logo viria a ser reaproveitado e posto nas estradas quando a FIA cancelou a série após vários acidentes fatais e crescentes preocupações com a segurança. Depois do sucesso do 288 GTO como carro de estrada, Enzo Ferrari quis contar com Materazzi para levar as coisas a um outro nível, e foi esse o impulso que levou ao F40, o último carro assinado pessoalmente por Il Commendatore e uma aposta que viria a ser a salvação comercial para a empresa que ficou numa situação bastante difícil após a sua morte em 1988.

Inicialmente, a Ferrari tinha previsto fabricar apenas 400, mas a produção acabaria por ultrapassar as 1.300 unidades no final. «Eu estava nervoso e relutante com a proposta do F40 porque já tinha muito trabalho», lembrou Materazzi numa entrevista à revista Wheels. «Só aceitei porque Enzo me permitiu progredir por conta própria, sem perder tempo em reuniões e ficar a assistir ao moroso processo de tomada de decisões». Ainda que o prazo fosse bastante curto, aquele era um projeto que devia satisfazer as ambições dos seus construtores, e o facto é que o F40 é ainda hoje amplamente considerado um dos maiores feitos da Ferrari, tendo sido desenvolvido em pouco mais de um ano, por uma equipe que trabalhou 24 horas por dia, 7 dias por semana. No final dos anos 1980, Materazzi fartou-se de ter de aturar os «tipos cinzentos» da Fiat, como os chamava, e decidiu deixar a Ferrari. Chegou mesmo a colocar um anúncio manifestando a sua disponibilidade para embarcar em novos projetos numa revista automóvel italiana. Entrou para os quadros da Cagiva, e, no início dos anos 1990, mudou-se para a fábrica da Bugatti em Campogalliano, tendo assumido as funções de diretor técnico do projeto do EB110 GT de 1991 e do mais potente EB110 SS de 1993. Depois disso, já neste século, desenvolveu o B Engeneering Edonis, com componentes que sobraram na fábrica abandonada do EB110.

Além de ter sido um lendário construtor destas máquinas de coser o fôlego entre o sonho e os horizontes, Nicola Materazzi era um ávido leitor e bibliófilo, tendo reunido uma biblioteca de 12 mil volumes, dos quais pôde ainda desfrutar nos últimos anos de vida, já retirado na sua casa em Salerno, perto de Nápoles.

Os comentários estão desactivados.