Opiniao

A erva daninha que se tornou uma bomba-relógio

A experiência social portuguesa de descriminalização da posse pessoal de substâncias alucinogénias teve um sucesso limitado no século XXI; mas nem o SNS nem a justiça estão preparados para o influxo iminente desta nova e altamente potente forma de cannabis.

A erva daninha que se tornou uma bomba-relógio

Por Roberto Cavaleiro          

Os tempos estão a mudar, cantou Bob Dylan com um charro pendurado nos seus lábios carnudos; e certamente eles têm com teor de THC (Tetra-Hydro-Carbinol) aumentando de 2% na década de 70 para 5% na década de 90 e depois, com a intensificação da cannabis cultivada, para cerca de 20% até 2015. Até então o conceito tradicional de hippies a fumar cannabis e senhoras idosas servindo chá e bolos com cannabis deu lugar à promoção mundial de produtos “medicinais” legalizados de natureza totalmente diferente. O que se pensava ser “cannabis” extraída de plantas tem pouca semelhança com os itens embalados agora vendidos on-line e em dispensários. Estes são feitos colocando a cannabis pulverizada em retortas através das quais são executadas misturas de butano, etanol, propano e dióxido de carbono para obter uma substância de cera que pode chegar a 75% de THC. Em seguida, a cera pode ser processada em fornos a vácuo para produzir um concentrado de óleo de 95% THC conhecido como “dabs”.

Uma pesquisa exaustiva recente na Finlândia e na Dinamarca produziu evidências de que a fabricação e distribuição dentro da CE de “cannabis medicinal” cresceu enormemente devido à promoção pelas indústrias que controlam o negócio de dependência de álcool, produtos farmacêuticos e tabaco. Para estes, o manto de poder fornecer produtos à base de cannabis como medicamentos limpos e licenciados tem sido uma dádiva de Deus com lucros potencialmente maiores do que aqueles obtidos com a comercialização de drogas antigas. A gama agora disponível através da internet e alguns dispensários é colossal, desde vape a charros até chás, sumos, lanches e chocolate, todos os quais podem ser comprados por “recomendações” que não são receitas, mas uma forma de cartão de desconto para incentivar pedidos repetidos e consequente dependência de um público que está voluntariamente convencido de que as dores podem ser aliviadas pelo consumo seguro.

No entanto, estudos sobre esse uso agora generalizado de “dabs” feitos durante os últimos cinco anos mostram que o risco de conversão da psicose de ansiedade em distúrbios como o espectro da esquizofrenia e a bipolaridade (também denominado como depressão maníaca) é exponencial ao nível de THC na “medicina” e pode levar a comportamentos altamente irracionais e suicídio.

A experiência social portuguesa de descriminalização da posse pessoal de substâncias alucinogénias teve um sucesso limitado no século XXI; mas nem o SNS nem a justiça estão preparados para o influxo iminente desta nova e altamente potente forma de cannabis.

As actuais propostas do Grupo Eurox e da Cann10-Portugal para cultivar as plantas e processar a marijuana em fábricas a instalar nos concelhos de Castelo Branco, Vila de Rei e Grândola e importar produtos similares de Israel deverão concretizar-se brevemente na sequência qual Portugal pode vir a ser uma porta de entrada para a Europa para distribuição da Erva da Nova Era.

    

Os comentários estão desactivados.