Opiniao

In GoDP do we trust

A determinação dos bancos centrais de reduzir a inflação aumentando ainda mais as taxas de juros até 200 pontos só pode ser alcançada se apoiada pelas autoridades monetárias e fiscais de uma nação.

In GoDP do we trust

por Roberto Cavaleiro         .

  

Por definição geral, o Produto Interno Bruto (PIB) (GDP) é o valor monetário total dos bens e serviços finais produzidos num país ou região durante um período de tempo especificado dividido pelo número de cidadãos cujo esforço de trabalho é responsável por tal produção. A complexidade deste indicador é fortemente afetada na sua natureza subjetiva pela exclusão do cálculo de (1) crianças e a maioria dos aposentados, (2) labutas diárias não registadas, como tarefas domésticas e assistência prestada a instituições de caridade ou instituições sem fins lucrativos, (3) atividade secreta de vigilância do governo e o desenvolvimento de armas de guerra e (4) a economia paralela que é cada vez mais promovida pela dark web e conduzida por meio de criptomoedas.

A maioria das nações do Ocidente depende da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) para compilar e interpretar as suas estatísticas económicas, enquanto as do Oriente, África e América do Sul dependem de ministérios nacionais ou agências internacionais que podem ser subjetivas à política e postura dos seus governos. Essa manipulação sensível também pode ser agravada pelo facto de o cálculo do PIB ser ou não feito em paridade de poder de compra (PPC) e se incluir impostos.

Em comunicado divulgado recentemente, o economista-chefe da OCDE, Àlvaro Pereira, afirma que a economia global precisa crescer 4% para acompanhar apenas o crescimento populacional em territórios onde a pobreza e os baixos padrões de vida são a norma; mas ele também continua a dizer que as economias superiores precisam lidar com as enormes dívidas que foram criadas pelo capitalismo desenfreado nos setores imobiliários e bancários comerciais relacionados. A determinação dos bancos centrais de reduzir a inflação aumentando ainda mais as taxas de juros até 200 pontos só pode ser alcançada se apoiada pelas autoridades monetárias e fiscais de uma nação. “Também precisamos de reduzir a demanda, disso não há dúvida”, concluiu.

E aí está o nó. Para que as lutas da humanidade para reduzir e estabilizar os estragos das alterações climáticas (que agora estão se a acumular rapidamente) sejam bem-sucedidas, devem ser introduzidas unilateralmente medidas de “decrescimento” que podem entrar em conflito com o crescimento aparentemente desejável na economia alternativa verde-clara que agora se está a desenvolver. Por exemplo, a construção aerogeradores gigantes que fornecem uma proporção crescente das nossas necessidades de energia consome grandes quantidades de recursos materiais e energéticos e o seu desmantelamento após uma vida útil de talvez sete anos também precisa de consumo no seu descarte. Atender aos desejos da OCDE de redução da demanda exigirá um abandono disciplinado por parte dos poucos afortunados do hedonismo benéfico que permite o movimento logístico de bens de luxo e pessoas elitistas em todo o mundo! Mas a remoção dos prazeres mundanos daqueles acostumados à riqueza é muito improvável  num mundo onde o dinheiro é poder, então a alternativa para manter o valor um tanto duvidoso dos vários PIBs é estabilizar e reduzir a população global e, assim, alcançar uma redução na pilhagem dos recursos finitos do planeta.

Como quase uma admissão de falhas no nosso uso atual do PIB como uma calculadora do declínio económico, a OCDE introduziu em 2011 um “Índice de Vida Melhor” que é projetado “para capturar as múltiplas dimensões do progresso económico e social”, identificando e valorizando áreas como o bem-estar pessoal, a qualidade do meio ambiente e o desempenho dos serviços públicos. Uma estrutura semelhante inspirada em Stiglitz é a desenvolvida pela economista de Oxford Kate Raworth no seu artigo da OXFAM de 2012 “A Safe and Just Space for Humanity”. Ambos os conceitos são potencialmente mais informativos do que os valores do PIB se tiverem acesso total e transparente a estatísticas não adulteradas.

 

Tomar       28-09-2022

Os comentários estão desactivados.