Bruxedos

O extraordinário contributo do público para a elevação da política portuguesa

Sendo Portugal um país avançado onde a corrupção e o nepotismo foram erradicados, tem no jornal Público um baluarte da estabilidade política dos governos...

O extraordinário contributo do público para a elevação da política portuguesa

por João Cerqueira

Nos países do Terceiro Mundo, como na Suécia, na Inglaterra e nos Estados Unidos, a imprensa julga ter a função de Quarto Poder. Os jornalistas vigiam os governos, escrutinam as suas decisões, denunciam manobras ilegais, criticam comportamentos inadequados ou atentatórios da ética democrática. Muitos presidentes e ministros já foram forçados a demitir-se por sua causa. Nos países do Terceiro Mundo, as ligações entre política, dinheiro e família são inaceitáveis e obrigam à demissão dos governantes que infrinjam essa regra ética. À mulher de César não basta ser séria, deve parecer séria.

Nos países do Primeiro Mundo, como em Cuba, na Venezuela e na Rússia, os jornalistas contribuem para a estabilidade da governação e usam esse tal Quarto Poder para anular os opositores políticos. E quando algum jornalista denuncia esquemas de corrupção envolvendo políticos e empresários, os seus remorsos são tais que, como sucede na Rússia, se atiram pela janela. Nos países do Primeiro Mundo, a mulher de César é sempre séria, ainda que não pareça.

Sendo um país avançado onde a corrupção e o nepotismo foram erradicados, Portugal tem no jornal Público um baluarte da estabilidade política dos governos – contanto que sejam socialistas. Desde que José Manuel Fernandes deixou o cargo de director, os seus sucessores e sucessoras têm pugnado para que os governos socialistas não sejam importunados pelas forças reaccionárias da extrema-direita portuguesa – ou seja, os partidos de Direita. Durante a Geringonça, sempre que havia uma notícia comprometedora para o Governo -  um escândalo com os ministros ou um relatório a afirmar que o país estava cada vez mais pobre – lá saía o Público em socorro do Governo ou então reciclava alguma notícia nefasta sobre Passos Coelho ou Cavaco Silva. Aliás, um trabalho muito bem feito que deve ter impressionado a comunicação social cubana e de outras democracias que o PCP e o BE admiram. O Granma faria bem em mandar uns estagiários para o Público para aprenderem como se faz.

O actual director, Manuel Carvalho, tem mostrado que não se desvia desta linha de jornalismo do Primeiro Mundo que não tolera instabilidade governativa. Por exemplo, não vá o PS ter necessidade de fazer uma nova Geringonça para evitar que a extrema-direita do PSD tome o poder, e Manuel Carvalho avisa que o PCP é «um partido normal». E tem toda a razão pois, tirando o facto do PCP continuar a apoiar ditaduras, condenar regimes democráticos e justificar a invasão da Ucrânia pela Rússia, os comunistas são normalíssimos. Basta ler o Avante para se perceber isso. E supõe-se que Manuel Carvalho pensa o mesmo sobre o BE, que também apoia ditaduras, acolhe terroristas e tergiversa sobre a invasão da Ucrânia.

Criticar partidos que apoiam ditaduras comunistas e simpatizam com terroristas é coisa de jornalistas do Terceiro Mundo.

Naturalmente, Manuel Carvalho comentou o caso da Ministra da Coesão Territorial Ana Abrunhosa que entregou milhares de euros de fundos europeus a duas empresas detidas pelo marido, cujo sócio chinês fora condenado por corrupção. De início, parece que vai resvalar para o jornalismo terceiro-mundista quando afirma: «O combate político em torno dos interesses patrimoniais dos ministros ou dos seus familiares faz-se sempre com a mais elevada das intenções: a de proteger o interesse público da gula dos seus negócios privados. Faz-se também num contexto de casos nos quais a classe política se abotoou indevidamente à custa dos seus privilégios.». Mas é apenas uma manobra de diversão para enganar os leitores de extrema-direita. Logo retoma o jornalismo primeiro-mundista quando afirma «que não faz sentido que o simples facto de os financiamentos terem sido concedidos seja, à partida, considerado uma grave violação ética que reclama a demissão da ministra». E, no fim, puxa as orelhas ao deputado fascista Carlos Guimarães Pinto por se atrever a pedir tal coisa. Ou seja, para Manuel Carvalho a mulher de César não tem de parecer séria.

Nem a mulher, nem o marido, nem o sócio chinês.

Portugal é um hoje um país do Primeiro-Mundo onde residem cidadãos franceses, ingleses, suecos, americanos e de outros países ricos. Dizem que eles vêm para cá por causa do clima, da gastronomia e da segurança, mas o que realmente os atrai é poderem tomar o seu pequeno-almoço sossegados enquanto leem o Público. Ao contrário dos seus países, onde os jornais lhes estragam o sossego com ataques incessantes aos seus governantes, em Portugal encontram no Público a tranquilidade perdida. Mesmo que não dominem bem a língua, percebem facilmente que o poder socialista nunca será incomodado pelo Público.

Espera-se, pois, que a extrema-direita social-democrata não vença as próximas eleições, senão lá se irá o sossego dos estrangeiros enquanto comem bacon com ovos estrelados. E, sacudidos pela turbulência jornalística, concluirão que já não vale a pena viver em Portugal.

Os comentários estão desactivados.