Avatar de Catalina Pestana

Catalina Pestana


  • O seu a seu dono

    Quem não tem cão caça com gato’. À sombra deste provérbio escrevi durante três anos estórias, pensamentos, recados, cartas com e sem destinatário explícito.


  • Emiratos, maassai e leopardos

    «Tudo a seu tempo!…» – disse muitas vezes o padre Felicidade Alves, durante a caminhada lúcida para a passagem para a outra forma de vida. Tudo a seu tempo!…


  • E as crianças, senhor?!

    Esta frase foi escrita há quase cem anos por Augusto Gil, a propósito de uma neve poética que caía não sabemos bem onde.


  • Não há educação sem educação física

    Trabalhei quarenta anos como professora, em todos os níveis de ensino.


  • O bispo, o diplomata e o profeta

    Nesta velha Europa, berço da cristandade, as coisas começaram mal quando o imperador Constantino, no século IV, fez da Boa Nova de Jesus Cristo a religião oficial do Império.


  • Churchill tinha o 6.º ano

    O grupo era de jovens, homens e mulheres de idades variáveis, para os quais a coisa pública não tem dono.


  • Cultura sem canudos

    O lançamento do livro teve lugar em Pêro Pinheiro, num sábado já a cheirar a férias, para os que as podem gozar.


  • O cavalo do inglês

    Na minha infância, ouvi dizer muitas vezes que uma pessoa que emagrecia abruptamente, e ficava esquálida, parecia o cavalo do inglês.


  • Os pedófilos são gentis

    «As crianças já só desabafavam entre si. Desacreditadas pelos adultos a quem foram alertando…». Começa assim uma notícia do Correio da Manhã de 26 de Junho de 2012.


  • A Selecção e o vale tudo

    Andava eu a conceber a forma de denunciar um anúncio execrável que invadia as nossas casas sempre que a Selecção portuguesa jogava, quando por estratégias de marketing ele desapareceu, talvez para me boicotar o trabalho.


  • Os pedófilos não têm chifres

    Os abusadores sexuais dividem-se, na minha perspectiva, e na de muitos que foram obrigados a estudar sobre estas coisas, em dois grandes grupos: – os pedófilos e os que são apenas depravados.


  • ‘Secretas’: o sucedâneo da PIDE

    No golpe de Estado, que virou rapidamente Revolução e que teve lugar em 25 de Abril de 1974, só correu sangue frente à sede da PIDE/DGS, na rua António Maria Cardoso.


  • Isabel Jonet a ministra da Economia

    Na velha e civilizada Europa, onde alimentámos a esperança de chegar primeiro que outros continentes à igualdade de direitos e deveres de todos os humanos, estamos a percorrer caminhos de retrocesso civilizacional.


  • Ao ritmo alucinante de uma directa

    Directa é, para mim, o livro de Nuno Bragança com o qual mais me identifico.


  • Mais de dois é manifestação

    Quando o Presidente da República apareceu em público, como manda a ética das organizações, dizendo que mantinha a sua confiança em Dias Loureiro como conselheiro de Estado, muitos de nós protestaram. Eu também.


  • Assistente do Sr. Reitor

    Quando eu era muito ingénua, nutria admiração por dois grupos profissionais: os professores universitários e os políticos.


  • Mais vale tarde do que nunca

    Foi com alegria que, ainda em tempo de Páscoa, tivemos notícia de que a Conferência Episcopal Portuguesa, reunida em plenário, discutia as questões dos abusos sexuais.


  • Carta aos meus netos no 25 de Abril

    Filhotes, hoje vou contar-vos uma história, mas das verdadeiras, como vocês costumam pedir.


  • A barbárie também fala português

    As ex-colónias portuguesas tiveram dois grandes líderes mundiais na época das autonomias: Agostinho Neto e Amílcar Cabral.