Economia

Portugueses estão entre os que mais ajudam financeiramente os filhos

Sair de casa não representa de todo ter de passar a viver sem a solidariedade familiar, até porque ela continua a existir.

De acordo com o estudo mais recente da Cetelem, os portugueses são, a par dos franceses e espanhóis, os que mais consideram importante apoiar os filhos.

Na verdade, 93% dos pais portugueses acha que é incontornável continuar a dar apoio financeiro aos filhos, valor que representa uma percentagem significativamente acima da média registada nos 13 países analisados (68%).

Com 88%, os seniores portugueses estão entre os que mais se preocupam com a situação profissional e pessoal dos filhos e netos, sendo apenas ultrapassados pelos espanhóis (92%). A média europeia é consideravelmente mais baixa, situando-se nos 64%.

O estudo mostra ainda que a preocupação em torno dos mais jovens está muito relacionada com a situação económica dos diferentes países. Por exemplo, os espanhóis, italianos, franceses e portugueses mostram-se muito preocupados, ao contrário dos alemães e britânicos que dizem sentir-se serenos.

Para Diogo Lopes Pereira, diretor de marketing do Cetelem, “não é de estranhar que, em Portugal e em Espanha, os pais se mostrem mais preocupados com a situação financeira e pessoal dos seus filhos. Trata-se de dois países onde a entrada na vida ativa é bastante mais difícil e onde as taxas de desemprego são muito elevadas, especialmente entre os jovens. Naturalmente que esta tendência também reflete caraterísticas dos próprios povos e os da Europa do sul são conhecidos pela proximidade à família”.