Viver Para Contar


  • Omo lava mais branco

    Um dia destes, com toda a convicção, Carlos Branco afirmava que o hospital pediátrico em Kiev atingido por um míssil foi vítima de um erro ucraniano, e que os russos nada tinham a ver com aquilo. Ora, de que meios dispunha o general para contradizer a ONU, que dizia o contrário?


  • Eu ‘paroquiano’ me confesso

    Aos que falam do país como da paróquia, aos que falam do nacionalismo como uma ‘parolice’ ridícula e despropositada, eu respondo: paroquial ou não, o nacionalismo é bem real. Não se explica, mas move montanhas.


  • O inexplicável ‘orgulho gay’

    Se achei os ataques aos homossexuais lamentáveis, hoje acho este mês do ‘orgulho gay’ inexplicável. Há o Dia da Mãe, o Dia do Pai, o Dia de Portugal, etc. Poderia, no limite, haver o Dia dos Gays. Mas por que carga de água a comunidade gay tem direito, não a um dia, mas a 30?


  • O adepto errante, parte 2

    Aplaudo as vitórias de Rúben Amorim no Sporting, como tinha aplaudido as de Jorge Jesus no Benfica. Ambos passaram pelo Belenenses, o clube que o meu avô materno fundou, e isso para mim foi decisivo. Mas tanto um como outro mostraram qualidades raras, que os tornaram admirados mesmo pelos adeptos de outros clubes.



  • O romance do aeroporto

    A história do novo aeroporto de Lisboa ficará como um exemplo para o mundo de como não deve ser conduzido um processo como este.


  • O horror ao trabalho

    Em vez de incentivarmos o trabalho, incentivamos o ócio. Alguém conseguirá explicar isto?


  • O PSD visto por dentro

    Luís Filipe Menezes não gosta de Cavaco mas é sobretudo arrasador para dois políticos que saíram do ativo e passaram a comentadores: Manuela Ferreira Leite e Pacheco Pereira. Trata-os com uma violência que raramente se vê. Chega a doer a forma como se lhes refere.



  • O beijo

    Algum homem para assediar uma mulher iria beijá-la em público, perante um estádio cheio de gente e com as câmaras de TV a filmar? Se o homem quisesse mesmo seduzir a futebolista, não tentaria abordá-la numa situação e num local mais discretos? 

    O beijo

  • Uma viagem fora da Europa

    Relato telegráfico de um percurso pelas três maiores cidades do Canadá, com uma escapadela às celebérrimas Niagara Falls.

    Uma viagem fora da Europa

  • Crime de opinião

    As opiniões do Presidente da República podem ser criticadas. O que está em causa, neste caso, é o tom inquisitorial com que as críticas foram feitas. Não se curou de saber se Marcelo tinha razão ou não. Partiu-se do princípio de que disse uma heresia e tinha de se desdizer, de pedir perdão.

    Crime de opinião

  • Como nasceu o SOL

    No rés-do-chão do prédio do Chiado, o jornal começou a tomar forma. As ideias eram claras: seria um projeto jornalístico e não um projeto político. Deveria ser sério como o Expresso, mas não tão institucional e tão pesado; deveria ter a irreverência e a acutilância de O Independente, mas não ser tão sensacionalista e ser…

    Como nasceu o SOL

  • Adeus, Automóvel Clube!

    Um caso que se passou com um cunhado meu foi muito grave. Por acaso ele tinha o carro em casa e o transtorno que o problema lhe causou foi ficar um dia sem transporte. Mas imaginemos que o automóvel se tinha avariado no meio de uma estrada e ele viajava com a família… 

    Adeus, Automóvel Clube!

  • Impingir o futebol feminino

    A promoção desenfreada do futebol feminino não tem nada que ver com desporto, não tem nada que ver com futebol, tem que ver com política. É a ‘ideologia de género’ a funcionar. 

    Impingir o futebol feminino

  • Lobo com pele de cordeiro

    Ficando no Governo, depois de desautorizar o primeiro-ministro, Pedro Nuno Santos saiu deste golpe politicamente por cima.

    Lobo com pele de cordeiro

  • A verdade sobre Paula Rego

    Paula Rego foi importante por ter sido feminista? Ou por ter lutado a favor do aborto? Não! Paula Rego é importante porque era uma grande, enorme pintora.

    A verdade sobre Paula Rego

  • Hoje percebe-se como foi possível acreditar em Estaline e Hitler

    Se, com tanta informação, ainda há quem acredite na narrativa de Putin, compreende-se muito bem que tenha havido tanta gente a negar os crimes de Estaline e de Hitler, os gulags, os campos de extermínio.

    Hoje percebe-se como foi possível acreditar em Estaline e Hitler

  • A Igreja na guerra

    Na Ucrânia, a Igreja Católica apoia ativamente as vítimas da guerra. Mais uma vez, os cristãos e os comunistas – estes escondidos sob uma outra bandeira – se veem frente a frente. 

    A Igreja na guerra