Bloquistas reagem à saída de Catarina Martins com elogios e agradecimentos mas sem despedidas

Catarina Martins deixará a liderança do Bloco de Esquerda em maio.

Bloquistas reagem à saída de Catarina Martins com elogios e agradecimentos mas sem despedidas

Joana Mortágua já reagiu, nas redes sociais, ao anúncio de Catarina Martins, que vai deixar em maio a liderança do Bloco de Esquerda.

A deputada bloquista começou por agradecer a Catarina Martins pelos dez anos de liderança e lembra que a coordenadora "sai porque quer" e por achar ser "o melhor para o Bloco".

"A Catarina chega ao fim de uma década à frente do Bloco mantendo o apoio de um partido unido. Sai porque quer, porque acha que é o melhor para o Bloco. Temos tanto a agradecer-lhe que a única certeza boa é que continuaremos a contar com ela. Obrigada", escreveu Joana Mortágua no Twitter.

Também através do Twitter, a antiga candidata presencial e eurodeputada Marisa Matias lembrou Catarina Martins como "uma líder forte, carismática, corajosa e generosa, além de uma querida amiga".

"Ajudou-nos a fazer caminhos difíceis e a reforçar o partido. Continuaremos a fazer todos os caminhos que houver por fazer com quem vier e se queira juntar. Obrigada, Catarina", lê-se no tweet de Marisa Matias.

José Gusmão, também eurodeputado do Bloco de Esquerda, lembrou que Catarina Martins "assumiu a liderança do BE num dos momentos mais difíceis".

"Em 2015 lançou o desafio a Costa que permitiu tirar a direita do poder e recuperar direitos que agora a maioria absoluta destrói. Não há despedidas. Sabemos que a Catarina continua connosco e com as pessoas", escreveu.

Recorde-se que Catarina Martins anunciou, esta terça-feira, que iria deixar a liderança do Bloco de Esquerda, partido do qual esteve à frente dez anos, em maio.

"No Bloco não há períodos muito longos de funções como a coordenação. O que me fez decidir neste momento foi pensar que é agora que o Bloco deve começar a preparação da mudança política que já aí está", afirmou, em conferência de imprensa, onde também lembrou um caminho de "vitórias e derrotas".