Politica

Relações económicas em destaque na visita do chefe da diplomacia romena a Lisboa

O anúncio do novo investimento de uma empresa portuguesa na Roménia avaliado em 10 milhões de euros coincidiu com a visita do chefe da diplomacia de Bucareste a Lisboa, onde hoje manteve um encontro com o seu homólogo Rui Machete.

A vertente da diplomacia económica dominou as conversações entre Machete e o seu homólogo Titus Corlatean, num momento em que se celebram os 40 anos do início das relações diplomáticas entre os dois países. 

Na conferência de imprensa conjunta, o responsável português destacou o "largo espaço de cooperação" comum no interior da União Europeia (UE) -- a Roménia e a vizinha Bulgária foram admitidas em 2007 -- e ainda a integração prévia, em 2004, dos dois países balcânicos na NATO. 

Na perspectiva económica, Machete definiu a Roménia como um "parceiro de grande importância" ao destacar o "crescimento consistente" das exportações portuguesas, que ultrapassaram os 380 milhões de euros em 2013, envolvendo centenas de empresas. 

Ainda nesta vertente a COINDU, empresa de componentes para a indústria, garantiu a expansão das suas operações de produção num investimento de 10 milhões de euros e que vai criar 1.200 postos de trabalho, com um importante impacto na região onde está instalada.  

A EDP Renováveis e a Martifer no sector das energias renováveis, a construção de exploração de centros comerciais (Sonae) ou o fabrico de peças para automóveis foram exemplos citados pelo ministro, que também analisou com o seu homólogo as actividades de outras empresas, caso da Efacec ou grupo Lena, e respectivas perspectivas de expansão. 

A importância da comunidade romena em Portugal, cerca de 40.000 pessoas, não foi esquecida chefe da diplomacia portuguesa, num encontro onde o resultado das eleições europeias, a questão da energia no espaço europeu, a crise de Ucrânia -- um vizinho da Roménia -- e a necessidade de respeito pela sua "integridade territorial" também foram abordados. 

A reunião da cimeira da NATO na próxima semana em Londres constituiu outro ponto da agenda das discussões, em particular "a necessidade do reforço da segurança na Europa de Leste" na sequência da crise ucraniana e dos novos desafios de segurança. 

As boas relações entre os dois países também mereceram o aplauso de Titus Corlatean, que iniciou a sua visita oficial no domingo para participar no Dia dos Romenos residentes em Portugal e que regressa esta tarde a Bucareste após um encontro com o vice-primeiro-ministro Paulo Portas. 

O chefe da diplomacia do governo social-democrata de Victor Ponta destacou o significado das relações bilaterais, convidou o seu homólogo português a visitar Bucareste e sublinhou a consolidação das relações económicas. 

"Temos a intenção de um contacto directo mais intenso entre as câmaras de comércio e ainda das infra-estruturas associativas e de negócios entre os dois países" e após o "crescimento de 10% nas relações comercias entre os dois países em 2013 apesar da crise". 

O apoio da Roménia à assinatura do tratado de Associação entre a vizinha Moldávia e a UE, agendada para Junho, ou o processo de adesão da Roménia ao espaço Schengen foram ainda questões sublinhadas pelo responsável romeno. 

Lusa/SOL