Opiniao

A teimosia de Bento

A teimosia de Paulo Bento acabou por cair nos últimos minutos do último jogo de Portugal no Mundial. Finalmente entraram Varela e Vieirinha, indo Ronaldo para o meio, e a equipa portuguesa teve extremos e construiu sucessivas jogadas de perigo.

Essa proverbial teimosia do seleccionador começara a fraquejar no início do jogo, quando fez alinhar William Carvalho no lugar de Veloso e Ruben Amorim no lugar de Meireles. E a Selecção respirou de outra maneira. Deu outra imagem de si. Não jogou a passo. Deu luta.

O principal problema de Paulo Bento foi partir para o Mundial com «lugares reservados» na equipa. Patrício era o guarda-redes, desse por onde desse, Veloso o médio defensivo, Meireles o médio mais adiantado, Ronaldo um dos extremos. 
Ora, foi quando estas ideias feitas se desconstruíram, em parte por via das lesões, que a equipa se soltou. 

Patrício talvez não devesse ter jogado. William Carvalho devia ter jogado sempre. Meireles devia ter (pelo menos) alternado com Amorim. Vieirinha e Varela deviam ter alinhado mais vezes nas alas, com Ronaldo numa posição interior. Aliás, Ronaldo não tinha condição física para partir da linha lateral a caminho da baliza.

Paulo Bento deve ser elogiado por ser um homem de convicções. Mas as convicções, desta vez, traíram-no. Apostou em jogadores nos quais fazia confiança mas que não estavam em boas condições -- e não teve a lucidez suficiente para se aperceber disso a tempo.  
Isto explica o fracasso.