Politica

Governo autoriza a contratação de profissionais de saúde para o Algarve

O ministro da Saúde anunciou hoje ter autorizado a contratação de mais 80 profissionais para o Centro Hospitalar do Algarve (CHA), dos quais mais de 40 são enfermeiros, o que possibilitará mais 50 mil horas de enfermagem.

"Em Portimão tivemos um reforço na área da oncologia e hematologia e esperamos ter um reforço decisivo com as mais de cem vagas que abrimos e, para as quais temos muitas candidaturas", afirmou o ministro Paulo Macedo durante uma visita que efectuou ao hospital de Portimão.

Segundo o governante, o concurso regista uma adesão acentuada de médicos com candidaturas para todas as especialidades.

"Não digo que vamos preencher as cem vagas, que certamente não as conseguiremos, mas temos uma perspectiva como nunca tivemos", indicou Paulo Macedo.

De acordo com o ministro, a saúde na área hospitalar no Algarve foi "substancialmente melhorada", devido à contratação pontual de médicos para especialidades mais carenciadas.

Nesse sentido, perspectivou que essa melhoria seja acentuada com o preenchimento das vagas a concurso.

"Na área da medicina geral e familiar está decorrer um concurso nacional e que, segundo o senhor presidente da Administração Regional de Saúde do Algarve, é esperado número de vagas significativo a ser ocupado", sublinhou.

Na opinião de Paulo Macedo, a partir daí haverá mais produção assistencial em Portimão e Faro.

De acordo com o ministro, a contratação de médicos e a remodelação de instalações dos hospitais têm contribuído para a melhoria das condições de assistência aos doentes.

O governante exemplificou com a ausência de macas de corredores das urgências e das enfermarias dos hospitais de Portimão e de Faro.

"A remodelação na urgência foi significativa porque assim acabaram as macas nos corredores e no internamento", destacou o ministro, anunciando para breve "a compra de equipamentos, já autorizada e já encomendada para dotar as enfermarias de melhores condições".

"Portimão à semelhança de Faro deixa de ter pessoas a serem atendidas em condições menos positivas", sublinhou.

Paulo Macedo reafirmou a importância em manter a "produção assistencial dos dois principais hospitais do Algarve [Portimão e Faro]", acrescentando que em Portimão "a maternidade é para manter".

"Há uma melhor assistência no Algarve hoje do que havia há anos anteriores, em termos clínicos, assistenciais e de capacidade", concluiu.

Lusa/SOL