Sociedade

Portugal atingiu valor recorde na produção de electricidade renovável

O ano de 2014 foi o mais renovável do século. A produção de electricidade a partir de fontes renováveis em Portugal foi responsável por 62,7% do total energia eléctrica consumida, com um aumento de 6% em relação a 2013 – se considerarmos apenas a produção nacional, a contribuição das renováveis cifrou-se no valor recorde de 63,8%, anunciou hoje a Quercus em comunicado. 

A associação ambientalista e a Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN) sublinham, no mesmo comunicado que o investimento em fontes de energia renovável «é vital para a independência económica e energética do país». 

As duas organizações estudaram os dados de produção de electricidade em Portugal continental, em 2014, publicados pela Redes Energéticas Nacionais (REN) em Janeiro de 2015 e concluíram que, na consequência do aumento de produção das renováveis, assistiu-se a uma redução do valor de electricidade importada para 1,8% do consumo – o valor mais baixo desde 2002.

O clima contribuiu para estes resultados: 2014 foi mais húmido que a media em 27%, seguindo a tendência de 2013 com um valor de 22%. Foi também favorável em termos de vento, tendo-se verificado um valor semelhante a 2013.

Na energia fotovoltaica, o aumento da capacidade instalada permitiu um aumento de 31% em relação a 2013, tendo superado 1% do consumo, o que, sublinham as organizações, revela o potencial de crescimento deste sector.

Contributo da aposta nas renováveis permite poupanças de 1.565 milhões 

As boas notícias continuam: a produção da electricidade de origem renovável aumentou em relação a 2013, tendo sido responsável por 63,8% de toda a electricidade produzida em Portugal Continental em 2014, comparativamente aos 61,7% de 2013. Em cada hora de consumo de electricidade em 2014, 38 minutos tiveram origem em centrais renováveis, dos quais catorze minutos foram produzidos pela energia eólica. 

Significa isto que a produção de electricidade de origem renovável em 2014 permitiu também poupar 1500 milhões de euros na importação de combustíveis fósseis (gás natural e carvão) e 65 milhões de euros em licenças de emissão de CO2. 

Finalmente, as associações sublinham que as emissões associadas à produção de energia eléctrica somaram 13 milhões de toneladas de CO2 em 2014 – cerca de 20% do total de emissões de gases de efeito de estufa actuais de Portugal, mantendo-se em linha com os valores de 2013.

sonia.balasteiro@sol.pt