Politica

JSD Coimbra quer legalizar prostituição

O Conselho Distrital da JSD de Coimbra aprovou, no sábado, uma moção que defende a regulamentação da prostituição. Os jovens sociais-democratas consideram que a actual situação dos trabalhadores do sexo em Portugal é fruto de hipocrisia e defendem a urgência de legalizar a profissão

Em nota enviada às redacções, a JSD de Coimbra justifica o suscitar da questão com a defesa da saúde pública. "Não regulamentar esta actividade é aceitar que ela seja praticada por pessoas infectadas com doenças sexualmente transmissíveis", defende o presidente daquela estrutura, João Paulo Oliveira.

 

Os sociais-democratas querem ainda defender os profissionais do sexo de situações de "violência, coacção e outra sorte de abusos".

 

"Aceitar como ilegítima e indigna esta actividade tem tido como consequência deixar crescer na sombra a erva daninha do proxenetismo ", lê -se na moção, que associa ainda a falta de regulação da prostituição a situações de tráfico de seres humanos e redes de exploração de imigrantes ilegais.

 

"Quem lucra com isto são proxenetas e donos de casas de alterne que conseguem, mais do que mão-de-obra barata, mão-de-obra assustada e aterrorizada perante a ameaça do repatriamento", dizem os jovens da JSD de Coimbra.

 

A moção, que foi aprovada por unanimidade, deverá agora ser alvo de debate "junto da sociedade civil e dos órgãos nacionais da JSD e do PSD".

margarida.davim@sol.pt