Sociedade

A esperança Republicana

O ano de 2015 começou com uma verdade inconveniente para a Terceira e para o Estado português: Washington anunciou a redução até ao final do ano de 500 trabalhadores portugueses do seu contingente nas Lajes e ainda uma redução de 650 para 165 do pessoal americano militar e civil. Em síntese, a Base N.º 65 da Força Aérea Americana perde importância para a Administração Obama no actual xadrez geopolítico e passa a uma 'gas station', nas palavras de Robert Sherman, embaixador dos EUA em Portugal, ao Expresso. Os EUA esperam poupar 35 milhões de dólares (29,6 milhões de euros) por ano, só nas Lajes.

Nos Açores, em particular na ilha Terceira, a notícia caiu que nem uma bomba, mesmo depois de o Departamento de Defesa dos EUA iniciar o processo de redução em 2012. Roberto Monteiro, autarca da Praia da Vitória, tratou de alertar para as consequências da redução de efectivos americanos e de trabalhadores portugueses no concelho onde está localizada a Base. A autarquia prevê que esta segunda fase signifique uma redução na ordem dos 30% do seu PIB e 2000 novos desempregados, num municípo com 21 mil habitantes. A isso acresce o encerramento de várias empresas que, indirectamente, usufruem da presença da Base naquele concelho da ilha Terceira.

O Governo da República espera compensações dos EUA, embora sem as concretizar. Vasco Cordeiro, líder do Executivo açoriano, exige receber dos EUA 167 milhões de euros anuais nos próximos 15 anos, dos quais 100 milhões seriam para atenuar a pegada ambiental deixada na ilha e a demolição das estruturas que ficarem obsoletas. Estas exigências terão sido colocadas na primeira reunião da Comissão Bilateral, no último dia 11, e da qual não saiu fumo branco. Ainda.

Enquanto nos bastidores da diplomacia entre os dois países se cosem as linhas com que será selada a saída das Lajes, há uma convicção entre populares: a geografia não mudou. O SOL registou um argumento comum: 'Cada governo tem a sua guerra', dizem os populares. O mesmo é dizer que os Republicanos terão a sua e os EUA podem voltar em força à ilha. Palavra de quem integrou a história recente da América. 

Base das Lajes: Bye bye America

Cidade americana vira fantasma de si própria?

‘Os militares gostam de nós e nós gostamos deles’

Base familiar perde famílias e crianças

ricardo.rego@sol.pt