Internacional

Eslovénia pondera erguer muro na fronteira com Croácia

Foram já mais de 13 mil os refugiados que entraram na Eslovénia desde que, na sexta-feira à noite, a Hungria encerrou a barreira que separa o país da Croácia. E apenas três dias depois das rotas migratórias se terem alterado, é agora o Governo de Liubliana que ameaça erguer uma barreira que proteja a sua fronteira com a Croácia.

O Governo do mais pequeno Estado dos Balcãs diz que não pode excluir a hipótese de “limitar as entradas no país com obstáculos físicos”, seguindo assim uma tendência que vem crescendo nos últimos meses.

A declaração do ministro esloveno do Interior, Bostjan Sefic, seguiu-se aos apelos feitos aos parceiros europeus para aliviar uma situação que dizem ser insustentável. “A Eslovénia apela publicamente aos Estados-membros e às instituições europeias para participarem no alívio deste fardo”, disse Sefic depois de reconhecer que o país não tem capacidade para receber mais do que 2.500 refugiados por dia, número que foi largamente ultrapassado no início desta semana – só na segunda-feira foi registada a entrada de mais de oito mil pessoas.

A situação é agravada pelas baixas temperaturas que se fazem sentir nos Balcãs nesta época do ano. Milhares de refugiados ficaram ‘presos’ na Croácia após o encerramento da fronteira húngara, muitos deles alojados em acampamentos que há muito têm a lotação esgotada. “Ao contrário do Verão, quando tratámos maioritariamente bolhas e feridas nos pés, agora temos infeções relacionadas com a gripe, gargantas inflamadas, febres”, contou à Reuters Astrid Coyne-Jensen, coordenadora de uma equipa médica dinamarquesa presente em Berkasovo, junto à fronteira da Sérvia com a Croácia. A médica explica que o trabalho da sua equipa é dificultado pelo facto de os pacientes apenas desejarem “aliviar os sintomas, pois estão com pressa e raramente param para uma intervenção prolongada”.

O fluxo migratório tem aumentado a tensão entre os Governos de Eslovénia e Croácia, com trocas de acusações sobre a quantidade de refugiados que cada país consegue receber. A Croácia responde ao limite esloveno de 2.500 entrada diárias com a intenção de encaminhar para a fronteira com o vizinho metade dos refugiados recebidos por dia. E, segundo a agência da ONU para os Refugiados (UNHCR), a situação não melhorará nos próximos dias, já que milhares de novos refugiados estão prestes a chegar à Sérvia vindos da Macedónia. Daí passarão para a Croácia, onde o fecho da fronteira húngara leva à solução eslovena.

nuno.e.lima@sol.pt