Opiniao

Generosidade alemã, Julien Assange

1) A chanceler alemã Angela Merkel anunciou que a Alemanha vai disponibilizar, até 2018, 2,3 mil milhões de euros aos refugiados sírios e iraquianos que fogem da guerra. 1,1 mil milhões de euros serão gastos já este ano. É a prova que com a riqueza não é necessário ser-se forreta, e, por outro lado, que as autoridades alemãs se regem hoje por valores humanitários, o que, como sabemos, nem sempre aconteceu no passado.


2) Julien Assange, o australiano que em 2010 criou o wikileaks, site que divulgou mais de 500.000 documentos secretos das forças armadas norte-americanas, e que há dois anos vive exilado na embaixada do Equador em Londres, deve estar perto de conhecer o seu destino. A BBC anunciou que o painel das Nações Unidas que está a julgar o seu caso já chegou a um veredicto, que será conhecido amanhã: a prisão de Assange é ilegal. Assange vive exilado na embaixada do Equador em Londres para fugir à polícia sueca, por um caso de suposto abuso sexual. O seu verdadeiro crime, como todos sabemos, é ter colocado na internet os documentos secretos norte-americanos.

Julien Assange disse hoje que se a decisão do painel da ONU lhe for favorável espera que lhe restituem o passaporte e que o deixem seguir viagem para onde ele quiser (já alguns países sul-americanos lhe ofereceram asilo); mas, se a decisão for desfavorável, se entrega à polícia britânica. Penso que, em qualquer resultado, se decidir abandonar a embaixada, o destino mais provável de Assange será uma prisão norte-americana, onde ficará a aguardar julgamento, que culminará numa sentença de vários anos de prisão. É horrível escrever isto sobre Assange, mas o que ele fez em 2010 foi muito grave.