Economia

Paulo Neves, o homem da Portugal Telecom

Com uma vasta experiência no setor e CEO da PT Portugal desde 2015, o responsável passou a acumular também a funções de presidente do conselho de administração da operadora.

Paulo Neves,  54 anos, CEO da Portugal Telecom desde julho de 2015, passou a acumular as funções de presidente da operadora. O responsável vai continuar assim a acompanhar o desenvolvimento operacional e tecnológico da PT Portugal, bem como das outras subsidiárias da Altice. Licenciado em Engenharia Eletrotécnica pelo Instituto Superior Técnico, Paulo Neves esteve sempre ligado às telecomunicações e foi na PT que começou a dar os seus primeiros passos na sua longa carreira no setor.

Em 1985 entrou nos CTT – na área de telecomunicações (a futura Portugal Telecom), onde permaneceu até 1989. Nessa altura sai da empresa para abraçar um novo desafio profissional na Ericsson Portugal onde permaneceu durante quase 10 anos. Nesta multinacional foi membro da equipa de gestão executiva e exerceu diversos cargos-chave nas áreas de suporte técnico, marketing e vendas, responsabilidade de gestão transversal de unidade de negócios empresariais e de desenvolvimento estratégico.

A Oni foi o desafio que se seguiu em 1998 ao assumir funções de planeamento operacional e direção de marketing. Foi também diretor de regulação e desenvolvimento de negócio da Oni e membro da direção da  Associação para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC).

A verdade é que depois de muitas experiências, Paulo Neves regressou, em 2015, à casa onde tudo começou com um objetivo bem definido: «Aumentar o investimento, nomeadamente na rede de fibra ótica, potenciar a inovação e melhorar a qualidade de serviço» da operadora, revelou na altura Armando Pereira, presidente do Conselho de Administração da PT Portugal.

Assim que assumiu funções, uma das suas prioridades foi enviar uma carta aos trabalhadores da empresa, onde destacou que era «com elevado sentido de responsabilidade e enorme satisfação» que assumia a presidência executiva da PT Portugal, «uma referência no setor, em Portugal e no mundo. Uma empresa líder e com reconhecido ADN de inovação. Foi aqui que comecei a minha carreira e hoje volto com elevado sentido de responsabilidade», referiu.

Também a compra da PT por parte do grupo francês Altice foi alvo de elogios por parte do novo líder, sublinhando que se tratava do maior investimento francês em Portugal e a maior operação da Altice fora de França. «É  um marco muito importante no processo de crescimento e consolidação de um grupo internacional integrado de telecomunicações e multimédia que está presente em 15 territórios, tem mais de 48 milhões de clientes, mais de 38 mil colaboradores, em vários continentes, e receitas superiores a 17 mil milhões de euros», salientou.

Mas nem tudo foi tranquilo no investimento da Altice em Portugal. Na altura, a empresa chegou a criticar o sistema judicial português, considerando-o «muito lento», assim como a imprevisibilidade fiscal e a burocracia e desequilíbrios na regulação, o que no seu entender seria desfavorável à PT.

 

Novos desafios

Esta semana voltou a ser nomeado para um novo cargo dentro da empresa de telecomunicações. E, de acordo com a Altice, a sua nomeação reforça a sua confiança em Paulo Neves, dando destaque ao seu currículo no mercado das comunicações e ao «desempenho na liderança da equipa executiva que gere a PT Portugal permitiu atingir os objetivos do seu plano estratégico: investimento, inovação, qualidade de serviço e desempenho financeiro e comercial».

A verdade é que desde julho de 2015 o responsável foi consolidando a sua posição dentro do grupo Altice, ganhando não só espaço no segmento empresarial, como também conseguiu ganhar pontos quanto às suas competências na área da inovação, o que levou à transformação da PT Inovação em Altice Labs. E, com isso conseguiu transformar o polo de Aveiro numa fábrica de inovação para as várias geografias onde a multinacional opera. Um projeto que, na próxima semana, irá comemorar o seu primeiro aniversário.

«A estreita relação que cria com os clientes é um ativo essencial que caracteriza a maneira de ser da Altice, que combina um espírito empreendedor e altamente comercial», já veio afirmar Michel Combes, presidente executivo da Altice.

Paulo Neves substitui no cargo Armando Pereira, cofundador da Altice, que vai agora juntar-se ao conselho consultivo do grupo Altice liderado por Patrick Drahi, fundador da empresa. O empreendedor português vai continuar a acompanhar o desenvolvimento operacional e tecnológico da PT Portugal, bem como das outras subsidiárias da Altice.

Já o comité executivo da PT permanece inalterado e é composto por Guy Pacheco, João Zúquete, Alexandre Fonseca, Luís Nascimento, João Sousa, Sónia Machado e Alexander Freeze.