Politica

Seca. Está na hora de fechar a torneira

Governo diz que a responsabilidade é de todos no que toca à seca. Para ajudar, o i reuniu números que podem despertar consciências. É que gastar 260 litros de água num banho não é compatível com 75% de um país sem chuva.

A situação é grave. Os rios estão secos, a água é transportada em camiões e as barragens estão tão vazias que deixam à mostra aldeias que há muitos anos se viram submersas por estas construções feitas para combater a escassez da água. Mas não há milagres nem barragens capazes de fazer face à maior seca que o país já atravessou.

Filipe Duarte Santos, o especialista em alterações climáticas que já anteriormente tinha afirmado que a atual seca registada em Portugal é,, provavelmente, “uma das piores dos últimos 100 anos” e uma das mais intensas e prolongadas, veio ontem lançar mais um alerta: Portugal está a ficar com o clima do norte de África. Segundo o responsável, o avanço do deserto nos países do norte de África faz com que Portugal comece a ter o clima de Marrocos, Argélia ou Tunísia, facto que se traduz também na escassez de água.

Mesmo assim, e apesar de o secretário de Estado do Ambiente ter admitido, em entrevista ao i, a hipótese de haver racionamento de água à noite, o governo empurra essa medida para o “fim da linha”, admitiu ontem o ministro do Ambiente. “Estamos a fazer tudo para que a água nunca falte, em conjunto com as autarquias, e o que é fundamental é as pessoas pouparem água”, lembra João Pedro Matos, que aproveitou para salientar que poupar água é “responsabilidade de todos”.

Se assim é, o melhor é não esperar que sejam o governo e as autarquias a fechar a torneira a fontes públicas, chafarizes e regas excessivas. A mudança começa em casa e o i apresenta [nas figuras ao lado] formas fáceis de poupar dezenas de litros de água. É que pode parecer que não, mas cada português gasta por dia 220 litros de água, o dobro do considerado suficiente pelas Nações Unidas.

 

As medidas das autarquias

Viseu

• Uma das medidas adotadas pela autarquia passa pela redução em 25% da pressão da água que sai das torneiras

• Está a ser abastecida diariamente de água por camiões-cisterna com capacidade total de 25 mil litros

 

Mangualde

• A autarquia fechou as fontes que usam água da rede pública e a lavagem das ruas deixou de ser feita com água da rede

• Está a ser abastecida diariamente de água por camiões-cisterna com capacidade total de 25 mil litros

 

Nelas

• A câmara encerrou as piscinas municipais no início de novembro

• Está proibida a utilização de água da rede pública para regar jardins públicos e privados

 

Porto

• Tem vindo, nos últimos anos, a apostar na monitorização e diminuição das perdas de água

• Tem, em cada vez mais espaços verdes, um sistema inteligente que impede a rega em dias de chuva

 

Lisboa

• A câmara desligou as fontes que não usam água reciclada

• Nos jardins vai ser feita apenas a rega necessária à sobrevivência da vegetação

 

Évora

• A autarquia já tem vindo a diminuir o consumo de água nos últimos anos com, por exemplo, a redução da utilização de relva em jardins

• Está a ser preparada uma campanha de sensibilização do público para incentivar à poupança de água

 

Faro

• Interrompeu a rega nos espaços verdes

• Diminuiu a frequência da lavagem das ruas

 

Com Beatriz Dias Coelho