Desporto

Quem ri por último ri melhor? Mou e Marco Silva com provas de fogo

Antes do clássico português, a bola começa a rolar no Nápoles-Juventus, numa jornada em que o Inter pode assaltar a liderança pela primeira vez. Na liga inglesa, os jogos grandes estão reservados para as equipas dos treinadores portugueses.

Além do clássico desta sexta-feira a contar para a liga portuguesa, a jornada deste fim-de-semana reserva jogos grandes nas várias ligas da Europa.

E começa também hoje, mas em Itália, com o Nápoles-Juventus [19.45h, SportTv3] desde logo a roubar as atenções da 15.º jornada da Serie A. Um jogo de extrema importância já que o resultado pode provocar alterações no top3 da tabela classificativa italiana. Com apenas quatro pontos a separar Velha Senhora do líder Nápoles, um triunfo dos comandados de Massimiliano Allegri colocaria o emblema de Turim a apenas um ponto do surpreendente rival, que tem vindo a liderar há dez jornadas, mais precisamente desde a quarta ronda do campeonato. Mas, ainda fica a faltar falar do Inter, segundo classificado da Serie A, com 36 pontos. A confirmar-se uma vitória da Juventus em San Paolo, seria a equipa de Milão, que conta com o internacional português João Mário, a última a rir. Com jogo com o Chievo, que segue instalado no 9.º lugar, agendado apenas para domingo, o Inter seria mesmo o clube mais benificiado com o cenário em cima descrito, já que um triunfo diante o emblema de Verona deixaria o Inter na liderança pela primeira vez desde que arrancou a prova. E quem ri por último já se sabe....

 

Depois do embate luso, novas provas de fogo

Depois de não ter conseguido colocar um travão na pedalada dos homens de José Mourinho (4-2), o Watford de Marco Silva volta a ter nova prova de fogo. Desta feita ante o Tottenham, sétimo classificado da Premier League que detém precisamente mais três pontos que os comandados do técnico lisboeta. A jogar em casa, no estádio Vicarage Road, um triunfo perante o plantel liderado por Pochettino daria ao Watford os pontos necessários para igualar o emblema londrino além de, naturalmente, continuar a marcar posição junto aos lugares que dão acesso às competições europeias. Por outro lado, e sendo certo que o atual oitavo lugar que o clube inglês ocupa não esteja em risco, uma derrota deixaria Marco Silva e companhia com uma diferença mínima para o Brighton & Hove Albion bem como para o Leicester City (que ainda não conta com o internacional português Adrien Silva), embora apenas se estes últimos dois clubes mencionados passassem com distinção, leia-se ganhassem, nos respetivos encontros, com o Liverpool e Burnley.

Instantes depois, é a vez de entrar em ação o outro protagonista luso aqui destacado. Os red devils deslocam-se, também no sábado, ao terreno do Arsenal. No lugar de vice-campeão, e a 8 pontos do líder City, o Special One não pode correr o risco de deslizar sob pena de ver o título ser entregue, de fininho, aos blues. Vencer no Emirates Stadium, terreno do quarto classificado, torna-se, desta forma, obrigatório. Além de, note-se, o desafio pelo qual terá de passar o seu maior rival não ser propriamente uma dor de cabeça. No domingo, o City, que segue invicto à 14.º jornada (13 vitórias e 1 derrota) recebe o West Ham, que com apenas 10 pontos somados marca presença na zona negra, ou seja, da despromoção.