Politica

PS expulsa 300 militantes

Daniel Adrião acusa Costa de ter faltado à reunião para não ficar associado a decisão pouco edificante.

    Temas

  • PS

O PS deu início ao processo de expulsão de mais de 300 militantes que concorreram em listas adversárias nas últimas eleições autárquicas. A Comissão Política Nacional aprovou, nesta terça-feira, uma proposta para que a Comissão Permanente do PS possa «proceder à audição de cada um dos visados [...] para, depois, se tomarem as decisões que, entretanto, os órgãos de jurisdição do partido entenderem por bem».

A proposta da direção do PS teve apenas cinco votos contra. Daniel Adrião foi um dos poucos que contestaram esta decisão. O dirigente socialista começa por estranhar a ausência de António Costa, que se encontrava em Paris. «É óbvio que não quis estar presente nesta reunião. Provavelmente não quis ficar associado a uma decisão que não é muito edificante».

Adrião garante que a decisão está «ferida de nulidade», porque os estatutos «não preveem a possibilidade de a Comissão Política delegar na Comissão Permanente este tipo de competências». O socialista alertou ainda, na reunião desta terça-feira, que «o PS não ganha nada com estas purgas». 

Uma das consequências da decisão tomada na Comissão Política é que estes militantes ficam impedidos de participar nas eleições para as concelhias que vão realizar-se em janeiro. Daniel Adrião afirma que «a urgência de suspender os militantes sem qualquer processo de averiguação pela Comissão Nacional de Jurisdição está relacionada com a necessidade de travar eventuais candidaturas desses militantes aos órgãos dos partido». 

Os estatutos do PS preveem a expulsão dos militantes que decidam «integrar ou apoiar expressamente listas contrárias à orientação definida pelos órgãos competentes do partido, inclusive, nos atos eleitorais em que o PS não se faça representar».