Sociedade

Tempestade e frio matam na Europa e Estados Unidos

No Velho Continente morreu uma pessoa e 15 ficaram feridas devido à tempestade Eleanor. Nos EUA há pelo menos 11 vítimas mortais

Uma pessoa morreu e 15 ficaram feridas, ontem, em França e na Suíça, quatro com gravidade, devido à tempestade de vento Eleanor. A intempérie perturbou o tráfego aéreo e ferroviário, cortou estradas e reteve vários esquiadores em teleféricos alpinos.Do outro lado do Atlântico, uma vaga de frio que está a atingir valores recorde, e que continua a avançar pelo território continental dos Estados Unidos, matou pelo menos 11 pessoas nas últimas 24 horas

.Na Europa, a vítima mortal é um jovem esquiador atingido pela queda de uma árvore nos Alpes franceses. Segundo a proteção civil, pelo menos 15 pessoas ficaram feridas, quatro delas com gravidade, à passagem pela Suíça e França da Eleanor, uma tempestade de grau três numa escala de cinco.Os ventos sopraram a 150 km/h e em França, de acordo com as autoridades, quase 200 mil residências por todo o país – especialmente no oeste e no norte – ficaram sem energia, incluindo 30 mil na região de Paris. Na capital, a Torre Eiffel, parques, jardins e cemitérios estão encerrados. A tempestade já se estendeu depois ao leste do país, onde os aeroportos de Estrasburgo e Basileia- -Mulhouse (na fronteira helvética) foram obrigados a suspender os voosNo aeroporto de Zurique, também na Suíça, foram cancelados diversos voos, enquanto outros foram redirecionados para aeroportos alternativos.

Também a Alemanha, Irlanda e Reino Unido foram atingidos pela Eleanor. Milhares de casas no Reino Unido ficaram sem eletricidade, a agitação marítima causou a destruição do paredão do porto da Cornualha e as autoridades britânicas ordenaram o encerramento de três grandes autoestradas de Inglaterra devido a uma série de capotamentos de automóveis provocados pela força do vento e da chuva.Mínimos de décadasNos dois últimos dias de 2017, o frio já tinha causado a morte a três pessoas devido à exposição às baixas temperaturas trazidas por uma massa de ar do Ártico que afeta a maior parte do país.

“A massa de ar do Ártico vai continuar forte sobre os dois terços mais a leste do país até ao final da semana”, revelou o Serviço de Meteorologia dos EUA, salientando que esta parte do território vai sofrer “temperaturas muito frias e ventos gélidos perigosos”.Na terça-feira bateram-se novos recordes de temperatura mínima. Em Dayton (Ohio), o mercúrio marcou 25 graus abaixo de zero (quebrando um recorde que datava de 1898); em Salisbury (Maryland), a temperatura chegou a menos 14 graus (o mínimo anterior era de 1918).Uma pessoa morreu e 15 ficaram feridas, ontem, em França e na Suíça, quatro com gravidade, devido à tempestade de vento Eleanor.

A intempérie perturbou o tráfego aéreo e ferroviário, cortou estradas e reteve vários esquiadores em teleféricos alpinos.

Do outro lado do Atlântico, uma vaga de frio que está a atingir valores recorde, e que continua a avançar pelo território continental dos Estados Unidos, matou pelo menos 11 pessoas nas últimas 24 horas.

Na Europa, a vítima mortal é um jovem esquiador atingido pela queda de uma árvore nos Alpes franceses. Segundo a proteção civil, pelo menos 15 pessoas ficaram feridas, quatro delas com gravidade, à passagem pela Suíça e França da Eleanor, uma tempestade de grau três numa escala de cinco.

Os ventos sopraram a 150 km/h e em França, de acordo com as autoridades, quase 200 mil residências por todo o país – especialmente no oeste e no norte – ficaram sem energia, incluindo 30 mil na região de Paris. Na capital, a Torre Eiffel, parques, jardins e cemitérios estão encerrados. A tempestade já se estendeu depois ao leste do país, onde os aeroportos de Estrasburgo e Basileia- -Mulhouse (na fronteira helvética) foram obrigados a suspender os voos

No aeroporto de Zurique, também na Suíça, foram cancelados diversos voos, enquanto outros foram redirecionados para aeroportos alternativos. Também a Alemanha, Irlanda e Reino Unido foram atingidos pela Eleanor.

Milhares de casas no Reino Unido ficaram sem eletricidade, a agitação marítima causou a destruição do paredão do porto da Cornualha e as autoridades britânicas ordenaram o encerramento de três grandes autoestradas de Inglaterra devido a uma série de capotamentos de automóveis provocados pela força do vento e da chuva.

Mínimos de décadas

Nos EUA, e de acordo com a cadeia de televisão CNN, 11 pessoas morreram entre terça-feira e ontem: pelo menos cinco no estado do Wisconsin, quatro no Texas, uma no Dakota do Norte e outra no Missouri.

Nos dois últimos dias de 2017, o frio já tinha causado a morte a três pessoas devido à exposição às baixas temperaturas trazidas por uma massa de ar do Ártico que afeta a maior parte do país. “A massa de ar do Ártico vai continuar forte sobre os dois terços mais a leste do país até ao final da semana”, revelou o Serviço de Meteorologia dos EUA, salientando que esta parte do território vai sofrer “temperaturas muito frias e ventos gélidos perigosos”.

Na terça-feira bateram-se novos recordes de temperatura mínima. Em Dayton (Ohio), o mercúrio marcou 25 graus abaixo de zero (quebrando um recorde que datava de 1898); em Salisbury (Maryland), a temperatura chegou a menos 14 graus (o mínimo anterior era de 1918).