Desporto

Cashball. Nélson Lenho avança com queixa-crime no caso de corrupção

O capitão do Aves decidiu entrar com um processo na Justiça contra os "autores materiais" das acusações sobre o seu envolvimento num alegado esquema de viciação de resultados orquestrado pelo Sporting

Nélson Lenho, defesa e capitão do Aves, decidiu avançar com uma queixa-crime contra "os autores materiais" das acusações sobre o seu envolvimento num alegado esquema de viciação de resultados para favorecer o Sporting, que motivou a operação Cashball levada a cabo pela Polícia Judiciária.

A informação foi transmitida à Agência Lusa pelos advogados do jogador, indicando que o mesmo "aguardará com serenidade e de consciência tranquila os resultados das diligências judiciais e de disciplina desportivas em curso", ao mesmo tempo que se mantém confiante de que "a verdade será reposta e o seu alegado envolvimento afastado".

"A situação exposta atenta contra o seu bom nome, honra, consideração, tanto pessoais, como profissionais e sociais, pois o seu envolvimento em todo este assunto é uma falsidade. Os autores materiais de tais afirmações agiram de forma livre, voluntária e consciente, com o propósito concretizado de insultar, ofender a honra e a consideração do queixoso, estando bem cientes de que a sua conduta era censurável e punível por lei", referem ainda os representantes em comunicado.

Ainda antes da final da Taça, no Jamor, Nélson Lenho já havia negado qualquer envolvimento no caso e prometido agir judicialmente contra quem proferiu essas acusações. O nome do defesa foi referido por Paulo Silva, um dos alegados intermediários de André Geraldes, diretor para o futebol do Sporting, no alegado esquema de corrupção dos leões sobre jogadores adversários: de acordo com o testemunho daquele empresário, Nélson Lenho havia aceitado facilitar no jogo da primeira jornada do campeonato entre Aves e Sporting, que os leões venceram por 2-0.

Neste domingo, já depois de ter vencido a Taça, o lateral-esquerdo avense lembrou a semana difícil por que passou e pediu "melhores dirigentes" para o futebol português. "Estava em estágio quando essas notícias surgiram e a minha família sofreu ao longe. Não podem fazer o que estão a fazer ao futebol português, não podem atirar o nome de um jogador para a lama. Agora vão ter provar o que disseram. Temos os melhores jogadores, temos os melhores treinadores, mas falta-nos ter melhores dirigentes. Foi uma semana de muita ansiedade mas esta conquista é a prova de que Deus não dorme", ressalvou emocionado.