Sociedade

Praxes violentas na UBI foram praticadas por grupo secreto

Universidade já apresentou queixa ao Ministério Público que abriu processo de investigação


Todos os anos por esta altura há relatos de praxes humilhantes ou mesmo violentas, o caso mais recente aconteceu no curso de Ciências Biomédicas da Universidade da Beira Interior (UBI).

Dois alunos queixaram-se de abusos e agressões numa praxe praticada na semana passada. Os alunos eram levados em bagageiras de carros onde ficavam com a cara tapada. Eram depois alvo de perguntas e se não soubessem responder tinham de baixar as calças para serem agredidos com colheres de pau, escreve o Observador.

Os abusos e as agressões terão sido cometidos por um grupo secreto criado há 11 anos, quando abriu a licenciatura na UBI, composto exclusivamente por homens.

Este grupo tem o seu próprio código de conduta, que “desrespeita as regras da praxe” levadas a cabo pela Universidade, contou um aluno ao mesmo jornal.

Apesar do secretismo que parece rodear o grupo, existia uma página do Facebook onde eram publicadas imagens das praxes, até para mostrar aos antigos alunos que a ‘tradição’ se mantinha.

Os novos alunos sabiam que iriam ser submetidos a uma praxe, mas não conheciam os pormenores do ‘ritual’.

Na segunda-feira, a Universidade informou que tinha apresentado queixa sobre a praxe ao Ministério Público, que ordenou a abertura de uma investigação.

Os comentários estão desactivados.