Vida

"Façam sexo com quem bem entenderem e não nos aborreçam com as vossas escolhas"

“Mas a que propósito é que as pessoas têm que andar a divulgar publicamente a sua orientação sexual?!", questionou Maria Vieira

DR  

Maria Vieira voltou a usar a sua página no Facebook para apontar o dedo e deixar várias críticas. Desta vez, o alvo foi a nova ministra da Cultura.

“Mas a que propósito é que as pessoas têm que andar a divulgar publicamente a sua orientação sexual?! Esta mulher é lésbica, foi recentemente nomeada Ministra da Cultura mas acha que todas as figuras públicas que sejam homossexuais como ela devem divulgar a sua orientação nesse sentido! Porquê, eu pergunto, porquê?”, escreveu a atriz, ao partilhar uma notícia com o título ‘Graça Fonseca considera “importante” assumir homossexualidade’.

“Estou farta destas pessoas que tentam impingir a sua sexualidade aos outros, ninguém quer saber com quem esta senhora se deita, por amor de Deus! Era só o que faltava, as pessoas desatarem todas a dizer: olá, eu sou halterofilista e sou homossexual, ou, viva, eu sou operador de telecomunicações e sou heterossexual, ou, tudo bem? eu sou ladrilhador e sou bissexual, ou até, porventura, alguém afirmando, boas, eu sou empregada de limpeza e sou sadomasoquista!!! Caramba, já não há paciência para esta gente que nos quer impingir a sua vida sexual à força!”, Acrescentou Maria Vieira.

“O que me interessa senhora ministra, é saber quais são as ideias que a senhora tem para desempenhar a função para a qual foi nomeada e para a qual todos nós, contribuintes portugueses, lhe pagamos um salário! Ninguém, acredite que ninguém, está interessado em descortinar com quem você decide ter sexo, pois isso só lhe diz respeito a si e a quem consigo se deita na cama! Parem, de uma vez por todas, com esta doutrinação sexual, a vida privada de cada um só diz respeito a cada qual! Porra! Parem com isso, deixem-nos em paz! Façam sexo com quem bem entenderem e não nos aborreçam com as vossas escolhas pessoais que não dizem respeito ao resto do mundo”, concluiu.