Economia

Riqueza global está a aumentar

China e Estados Unidos dão grande parte do contributo para os números divulgados pela Credit Suisse na nona edição do Relatório de Riqueza Global

DR  

A riqueza global está a aumentar mais que o crescimento populacional. 

Segundo a nona edição do Relatório de Riqueza Gobal do Instituto de Pesquisas do Credit Suisse, a riqueza global aumentou 4,6%, de 14 mil milhões de euros para 317 mil milhões, em apenas 12 meses. 

No mesmo período, a riqueza por adulto cresceu 3,2% o que levou ao crescimento da riqueza média globral para o recorde superior a 63 mil milhões de euros por adulto. 

O país que mais contribui para estes resultados são os Estados Unidos da América (EUA), com um crescimento de riqueza de 6,3 mil milhões de euros para um total de 98 mil milhões de euros. 

A China aparece em segundo lugar, com um aumento de 2,3 mil milhões de euros e que a riqueza para 53 mil milhões de euros. Um acréscimo de 16% que, a continuar, poderá subir para os 19% em 2023.

Alemanha, França e o Reino Unido foram alguns dos países que se destacaram, com um aumento de mil milhões de euros, assim como a Itália e o Japão com evoluções positivas na ordem dos 500 milhões cada. 

No top da riqueza por adulto estão a Suíça e a Austrália e os países com maior número de milionários são os EUA, França, Reino Unido, Alemanha e Itália. 

A Credit Suisse estima que as mulheres contabilizem cerca de 40 da riqueza global total devido ao crescimento significativo durante o séc.XX e que, em 2000, estagnou. 

As camadas mais altas da pirâmide da riqueza global abragem 9,5% da população mundial, com 84,1% da riqueza ou 50,4 mil milhões de euros. 

As estimativas apontam para um crescimento da riqueza global de 26% nos próximos cinco anos, chegando aos 399 mil milhões de euros em 2023. A par com este crescimento, estará também o número de milionários, chegando aos 55 milhões nos próximos cinco anos.