Opiniao

A verdade sobre as eleições americanas que a comunicação social lhe esconde

Mais uma vez, os jornalistas que se reputam como os guardiões da galáxia da moralidade, da intelectualidade superior e da decência para os outros povos, nunca praticando, no entanto, tais valores cá dentro – queriam escrever à força a notícia da derrota absoluta de Donald Trump

1.A comunicação social portuguesa continua sem perceber (ou melhor: não quer ou não lhe convém perceber) a realidade política norte-americana – e designadamente a força política e eleitoral do Presidente Donald J. Trump.

Mais uma vez, os jornalistas que se reputam como os guardiões da galáxia da moralidade, da intelectualidade superior e da decência para os outros povos, nunca praticando, no entanto, tais valores cá dentro – queriam escrever à força a notícia da derrota absoluta de Donald Trump. Gostariam de anunciar hoje, urbi et orbi, que Donald Trump sofrera uma derrota esmagadora e embaraçante – que os resultados de ontem anunciariam o fim político do actual Presidente dos Estados Unidos da América. Mais uma vez, a vontade dos jornalistas não foi concretizada – antes, foi negada – pelos factos.

Pela realidade.

Pela vontade do povo americano.

Recordamos aqui que há cerca de duas semanas, a CNN anunciou que, ontem, haveria uma “blue wave”, uma onda democrata que iria varrer a nação americana – atribuindo, por conseguinte, uma maioria aos democratas, quer na Câmara dos Representantes, quer no Senado.

2.Dito isto, avancemos, desde já, com a primeira conclusão, na perspectiva daquilo que é a preparação para as eleições presidenciais: o Presidente Donald Trump registou mais uma noite de sucesso, melhor do que as expectativas mais optimistas (dentro do realismo) e quebrando, definitivamente, a ideia de um impulso, de um “momentum” democrata avassalador que iria em crescendo até 2020.

Tal não sucedeu – e não irá suceder.

Expliquemos, mostrando os factos sobre a noite eleitoral de ontem que a comunicação social portuguesa, caríssima leitor e caríssimo leitor, lhe esconde.

3.Primeiro facto: a história, nas eleições intercalares, é largamente favorável ao partido opositor do Presidente em exercício de funções; criou-se uma espécie de “costume político-constitucional” que, pelo menos, uma das Câmaras do Congresso passe a ser dominada pela força política contrária aquela que apoia a administração.

Aliás, historicamente, a intenção original dos “pais fundadores” da Constituição dos EUA ao estatuir uma eleição intercalar, as “midterm elections” (intercalares, entenda-se, porque se realizam a meio do mandato presidencial), foi precisamente a de instituir um mecanismo adicional de freios e contrapesos à actividade do poder executivo, garantindo a plena efectividade do princípio da separação de poderes.

Donde, o povo americano – na sua imensa sabedoria democrática – , ao longo da história, tem revelado uma apreciável fidelidade ao texto e à teleologia constitucional. Portanto, o normal seria o Presidente Trump (o GOP) perder as eleições intercalares por uma margem apreciável – e os democratas clamarem vitória absoluta.

Mais: as “midterms” seriam, em tese, particularmente delicadas para um Presidente que é verdadeiramente um “outsider”, como é Donald Trump, que não domina a lógica própria da organização e articulação dos aparelhos partidários – e que, adicionalmente, contou, ao longo dos últimos dois anos, com alguma oposição, mais ou menos sibilina, de membros do seu partido.

Já para não referir contrariedades políticas que mesmo alguns dos seus aliados da máquina partidária (como a talentosa Embaixadora Nikki Haley, que anunciou a sua demissão em período crucial da campanha para as “midterm”, criando ruído desnecessário) provocaram.

Não obstante todas estas circunstâncias adversas, o Presidente Donald Trump logrou perder a Câmara dos Representantes por uma margem inferior àquela que se antecipava – e manteve o Senado por uma margem superior àquela que até o mais fanático republicano julgava possível.

E, perante tal resultado, o Presidente Donald Trump ficará na História como o Presidente que obteve um resultado mais favorável, em termos de eleições intercalares, do que o próprio Presidente Ronald Reagan, do que  o Presidente Bill Clinton e…do que o Deus da esquerda, esse ícone mundial do estrelato televisivo, que é o Barack Obama!

Portanto, o Presidente Trump alcançou melhor resultado nas eleições intercalares do que Obama alguma vez conseguiu!

4.Aliás, o Presidente Trump obteve o resultado mais favorável para um Presidente em exercício de funções nas eleições intercalares das últimas décadas, com a excepção de Bill Clinton no segundo mandato (a novela do impeachment devido a “underground activities” na Sala Oval jogou a favor do Presidente) e do Presidente George W. Bush, no seu primeiro mandato (e no rescaldo dos atentados terroristas do 11 de Setembro).

Ou seja: o Presidente Donald Trump obteve o melhor resultado em eleições intercalares das últimas décadas, sem o trauma de um atentado terrorista em território nacional e sem uma Monica.

E com uma comunicação social totalmente desonesta, parcial a favor dos democratas e com alguns republicanos a alinharem no jogo dos democratas para salvar o “swamp”, o pântano.

Conclusão: no confronto Trump-Obama, Donald Trump arrecadou mais uma vitória.

5.Segundo: o Presidente Trump focou a sua estratégia – como demonstram as suas aparições em campanha – na manutenção do controlo do Senado.

Porquê? Três razões: 1) o Senado permitirá ao Presidente Trump prosseguir uma das suas prioridades políticas, já a pensar no seu legado mais perene – o realinhamento do poder judiciário, substituindo uma visão mais liberal por uma visão mais originalista da Constituição; 2) do ponto de vista da Constituição informal, a prática tem revelado que frequentemente o impulso legiferante sobre matérias politicamente mais candentes resulta da pressão dos Senadores sobre os membros da Câmara dos Representantes, e não o inverso; 3) uma vitória no Senado tem uma simbologia política, em termos de indicação da popularidade do Presidente e de antecipação da sua reeleição, muito mais significativa do que a Câmara dos Representantes.

De facto, os resultados para o Senado mostram que Donald Trump conserva a sua popularidade, a sua aprovação e o seu “appealing” político eleitoral intactos.

Acaso esta fosse uma eleição entre o Presidente Donald Trump e outro candidato democrata (e não há nenhum suficientemente forte que se perfile para 2020), o Presidente Donald Trump teria facilmente sido reeleito.

E a história torna as possibilidades de reeleição de Trump ainda mais reais e verosímeis. Porquê?

Porque se Bill Clinton e Barack Obama – com resultados bem piores do que aqueles que o Presidente Trump obteve ontem – acabaram por ser reeleitos, então o Presidente Trump (com um resultado bem melhor) será, com grande probabilidade, reeleito em 2020.

6.Terceiro: nos designados “swing states” – os estados oscilantes, que são decisivos para a eleição presidencial -, o Presidente Donald Trump assegurou a eleição de Governadores que lhe são próximos.

Assim foi no New Hampshire, no Ohio (que muitos antecipavam que iria cair para os democratas, após a saída de John Kasich, um republicano crítico de Trump), no Arizona, na Geórgia (uma excelente vitória de Brian Kemp), no Iowa –para além da grande vitória na Flórida.

Ora, estes resultados evidenciam que, nos casos em que o lugar de Governador nos estados oscilantes foi verdadeiramente disputado, o candidato de Donald Trump venceu.

Tal dá ao Presidente um balanço deveras positivo para 2020 – o apoio e o trabalho dos Governadores revela-se sempre importante para a vitória de qualquer candidato presidencial nestes estados.

7.Quarto: os candidatos a Senador que mais receberam o apoio entusiástico e a presença do Presidente Donald Trump em iniciativas da campanha saíram, globalmente, vitoriosos.

O que permitiu ao GOP alcançar o resultado positivo, muito auspiciosa que poucos esperavam.

Atentemos, a este propóito, no caso paradigmático da Flórida.

Ora, neste estado, os democratas apostaram tudo – largos milhões em anúncios e propaganda, mobilizaram as estrelas de Hollywood (com destaque para Oprah Winfrey, que também interveio na Georgia) e utilizaram o que (julgam eles) é o seu principal activo/arma eleitoral: o Presidente Barack Obama.

Resultado: os democratas perderam quer a eleição para Governador, quer a eleição para o Senado.

Em ambos os casos, os dois candidatos apoiados pelo Presidente Donald Trump venceram – Ron deSantis (um jovem político talentoso e com um futuro auspicioso) é o novo Governador; Rick Scott (apoiante incondicional do Presidente Trump) é o Senador eleito.

8. Quinto: para nós, é o facto mais significativo da noite eleitoral, o qual tem sido desprezado pela comunicação social – o discurso de Nancy Pelosi, provavelmente a próxima líder da maioria na Câmara dos Representantes.

No fundo, a política californiana, de Beverly Hills,proferiu aquilo que se aproxima de um discurso de vitória (ou uma sua tentativa) dos democratas. E o que disse Nancy Pelosi?

Que os democratas iniciarão um novo ciclo de defesa dos trabalhadores norte-americanos, que tomarão todas as iniciativas necessárias para “secar o pântano” e lutar contra os interesses especiais, para além de defender as famílias americanas e o respectivo futuro. Ora, o que é isto?

É Nancy Pelosi – provável futura líder da maioria democrata na “House of Representatives” – a acolher as prioridades e a retórica do Presidente Donald Trump!

9.Mais uma vez se prova a desonestidade da comunicação social: quando o Presidente Donald Trump clama que é necessário “drain the swamp” é um incitamento à violência, uma verdadeira ameaça à democracia – mas quando a mesma frase é proferida por Nancy Pelosi já se converte numa frase brilhante, num discurso verdadeiramente arrebatador!

Isto é mais uma prova irrefutável de como a comunicação social é completamente parcial, prosseguindo a sua própria agenda política. A agenda política ao serviço dos seus interesses, designadamente dos grupos empresariais aos quais pertencem. Mais do que nunca, os cidadãos precisam de exercer a sua racionalidade crítica, de procurar e confrontar fontes de forma a evitarem a manipulação dos grandes grupos de média.

No entanto, registamos que, volvidos dois anos, Nancy Pelosi, finalmente, entende que é imperioso acabar com o discurso de ódio promovido por alguns democratas (com a inenarrável Maxine Waters à cabeça)  e promover a união – leia-se, de abraçar algumas das medidas do Presidente Trump que têm registado um imenso sucesso, quer na frente externa, quer na frente interna (vide o crescimento económico histórico e a taxa de desemprego mais baixa desde há muito, incluindo o desemprego dos cidadãos afro-americanos).

10. Por hoje, terminamos a reflexão sobre as eleições intercalares norte-americanas com uma derradeira – conquanto a mais crucial – nota: a democracia americana está de parabéns.

O acto eleitoral, independentemente das divergências políticas, correu lindamente.

 Sem problemas, com a administração a tomar todas as diligências para evitar qualquer interferência, interna ou externa, que pudesse falsear a veracidade do acto eleitoral.

Graças ao empenho do Presidente Trump – ao contrário do que havia sucedido sob a liderança do Presidente Obama -, os democratas, desta vez, não têm argumentos para inventar estórias de “collusion”, de conluio.

 Afinal – caríssimos jornalistas portugueses, que gostam de ver tudo com olhos cor de rosa -, a democracia americana está mais forte do que nunca.

Mais saudável do que nunca.

O “fascista” (para estes jornalistas e comentadores, tudo o que não é rosinha cor de PS é fascista) Presidente Donald Trump não só não construiu campos de concentração, como foi capaz de garantir todas as condições (logísticas, jurídicas e políticas) para que o acto mais importante da democracia se realizasse sem falhas.

Os EUA, com o Presidente Donald Trump, deram mais uma lição ao mundo de como a democracia, com todos os seus defeitos, é o melhor sistema político humanamente imaginável – e, por muito que custe reconhecer a alguns, a democracia na América de Trump está mais saudável do que, pelo menos, nas últimas duas décadas.

11. Em suma, a noite de ontem teve dois vencedores precípuos: a democracia americana, que está mais forte do que nunca e é uma inspiração para o mundo, permitindo até o reforço do sistema de freios e contrapesos, com a nova maioria democrata (expectável e curta) na “House of Representatives” – e o Presidente Donald Trump que tem o caminho aberto, com inteligência e insistência na mensagem política principal (economia!), para uma grande vitória em 2020.

joaolemosesteves@gmail.com