Sociedade

Caso Cova da Moura. MP deixa cair acusações de tortura e racismo

Arrancaram esta terça-feira as alegações finais, no Tribunal de Sintra

O Ministério Público (MP) deixou cair as acusações de racismo e tortura nas alegações finais do julgamento dos 17 agentes da esquadra de Alfragide, que decorre no Tribunal de Sintra.

Em causa estão as alegadas agressões a seis jovens em fevereiro de 2015, na Cova da Moura e no interior da esquadra de Alfragide.

O MP considera que os agentes da PSP não agiram com “ódio racial”, respondendo assim por denúncia caluniosa, injúria, ofensa à integridade física e falsidade de testemunho. O procurador Manue das Dores concluiu que não foram recolhidos elementos suficientes que levassem à condenação dos arguidos pelo crime de tortura e de outros tratamentos cruéis.

No entanto, o MP dá como provado que os arguidos agrediram os ofendidos, detiveram um jovem de forma ilegal na Cova da Moura e falsificaram os autos de notícia para "branquearem" o que se passou.