Internacional

"Vamos resistir e vamos conseguir dar um passo à frente na resistência à usurpação"

Centenas de venezuelanos nas ruas para derrubar Governo de Maduro

A tensão no país cresce a cada hora que passa. Esta terça-feira, o presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, apelou ao povo para sair às ruas e acabar, finalmente, com a “usurpação” do regime do atual governo de Nicolás Maduro, estando assim em iminência um golpe de Estado.

Foi através de um vídeo publicado no Twitter que Guaidó aproveitou para deixar vários apelos e palavras de ordem para o povo sair à rua com as Forças Armadas, de forma a dar início à fase final da chamada “Operação Liberdade”, que conduzirá ao “fim definitivo da usurpação”.

Assim, já vários presos políticos foram libertados, incluindo um dos maiores opositores de Maduro, Leopoldo López. “São muitos militares. A família militar de uma vez (por todas) deu o passo. A todos aqueles que estão a ouvir-nos: é o momento, o momento é agora, não só de calma, mas de coragem e sanidade para que chegue a sanidade à Venezuela. Deus os abençoe, estamos a avançar. Vamos recuperar a democracia e a liberdade na Venezuela”, pediu o presidente interino.


Em resposta a estes apelos, Juan Guaidó e vários militares já foram atacados com gás lacrimogéneo por parte dos apoiantes de Nicolás Maduro, que deixou uma mensagem na rede social Twitter onde afirma estar com "nervos de aço". 

“Conversei com os comandantes de todas as REDI e ZODI [regiões de defesa das Forças Armadas venezuelanas] do país, que me manifestaram a sua total lealdade ao povo, à Constituição e à pátria. Apelo à máxima mobilização popular para assegurar a vitória da paz. Venceremos!”, escreveu Maduro. 

 


Neste momento, Guaidó e centenas de venezuelanos encontram-se na Praça de Altamira, onde já falou ao povo: “Hoje ficou claro que as Forças Armadas estão com as pessoas da Venezuela e não com o ditador", disse, acrescentando que estão a contar “com as pessoas”. “A maioria está nas ruas da Venezuela. Quem tiver rede para mandar mensagens, que as envie a toda a gente e lhes diga para vir para cá. Vamos resistir e vamos conseguir dar um passo à frente na resistência à usurpação. Venham a Altamira agora. A Operação Liberdade começou”, declarou Guaidó.