Politica

Costa diz que prémios da TAP são ‘incompatíveis’ com empresa participada pelo Estado

Companhia aérea atribui prémios de milhares de euros num ano em que teve mais de 100 milhões em prejuízos

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu, esta quinta-feira, que o modelo de distribuição de prémios da TAP, no valor de 1,171 milhões de euros - num ano de prejuízos recorde – é "incompatível com os padrões de sobriedade" que são imperativos nas empresas que tenham participação do Estado.

Costa foi confrontado pelo líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, sobre o facto de 180 trabalhadores ligados à TAP terem recebido mais de 1,1 milhões, incluindo dois administradores que receberam 110 mil euros cada um, como noticiado esta manhã pelo i.

"Como é público e notório, os administradores da parte do Estado convocaram para hoje uma reunião extraordinária do conselho de administração para analisar uma decisão tomada pela comissão executiva quanto à distribuição de prémios em modelo que o acionista Estado entende incompatível com padrões de sobriedade que devem existir nas empresas em que o Estado participa", respondeu o primeiro-ministro.