Politica

Costa afirma que nunca teve “a menor suspeita” sobre Sócrates

Primeiro-ministro sublinhou que não era capaz de “conviver com quem tenha praticado atos de corrupção”

O primeiro-ministro, António Costa, foi matar as saudades dos seus tempos na Quadratura do Círculo. O nome e os canais agora são diferentes – passou a chamar-se Circulatura do Quadrado e o programa é transmitido pela TVI - mas os companheiros são os de sempre: Pacheco Pereira, António Lobo Xavier e Carlos Andrade.

Assistiu-se a sorrisos cúmplices e cumprimentos nostálgicos, mas também houve lugar a semblantes carregados, quando o dedo de Pacheco Pereira tocou na ferida do PS chamada José Sócrates, no programa transmitido esta quinta-feira.

Pacheco Pereira criticava o facto de os partidos como o PS estarem pouco sensibilizados para o combate à corrupção e deu o exemplo do caso de José Sócrates.

Costa trouxe o seu ar mais sério para o momento e, embora tenha recusado fazer "um julgamento popular" do antigo primeiro-ministro socialista, não se coibiu de fazer algumas considerações surpreendentes sobre o caso, o que denota um claro afastamento de Sócrates, de quem era politica e profissionalmente tão próximo.

"Nos anos em que fui ministro do Eng. Sócrates nunca tive sinal que me levantasse a menor suspeita sobre o seu comportamento; nem depois disso tive qualquer suspeita, até ao momento em que começou a haver as notícias que nós conhecemos sobre esta matéria", afirmou.

“O PS sofreu, de facto, uma situação muito traumática, que eu espero que nenhum partido venha a sofrer, de ver acusações graves sobre o líder - que era, aliás, muito apreciado, com quem muitos de nós tinham relações de amizade. Eu tinha", sublinhou Costa, para quem "o Partido Socialista teve muita maturidade para fazer aquilo que devia fazer".

"Tenho a certeza de que no PS as pessoas não conheciam os factos que têm vindo a público. Agora, eu não entro na lógica de me antecipar à justiça", acrescentou. Note-se que o primeiro-ministro escolhe a palavra 'factos', muito embora Sócrates esteja a ser julgado e não tenha sido condenado. Ainda assim Costa sublinhou a importância da "presunção de inocência" e a importância de "não fazer o julgamento popular” do antigo líder do PS.

“Deve ser a justiça a falar" e "quanto mais depressa, melhor para todos", continuou o chefe de Governo. "Espero que fale depressa, seja para bem dele, seja para bem da democracia, porque esta situação é seguramente destrutiva para ele, mas também destrutiva e corrosiva para a democracia", acrescentou.

Aliás, Costa fez questão de se mostrar implacável nas suas críticas à corrupção: "Não tolero, em caso algum, qualquer forma de corrupção. Acho que é degradante para a democracia e a corrupção tem de ser exterminada". O primeiro-ministro sublinhou mesmo ser incapaz de “conviver com quem tenha praticado atos de corrupção".

"Se alguma vez tiver suspeitas de uma situação de corrupção no PS ou fora dele, faço o que tenho que fazer e reporto às autoridades", garantiu.