Politica

Joacine reage com surpresa a críticas do partido e entra em modo “reflexão”

Surpreendida, diz a própria. Em reflexão, adianta o seu assessor. Incontactável, revela o partido.

O Livre divulgou, este sábado, um comunicado no qual demonstrava preocupação sobre o sentido de voto da sua única deputa eleita, joacine Katar Moreira, que se absteve, na sexta-feira, num voto de condenação da “agressão israelita a Gaza”, proposto pelo PCP.

Confrontada com as críticas do seu próprio partido, a deputada manifestou-se, à RTP, surpeendida com o conteúdo do comunicado, publicado no site do Livre.

Contactado pela TSF, o assessor de Joacine adiantou que a deputada "está em reflexão", mas que falará sobre o tema "o mais tardar, amanhã de manhã", durante uma assembleia de membros do partido.

Já Pedro Nuno Rodrigues, membro do Grupo de Contacto do Livre – que assina o texto crítico do voto da deputada -, adiantou que Joacine Katar Moreira tem estado incontactável, lamentando a situação.

"Questionámos, tanto por email, como por SMS, o sentido de voto da Joacine. Já este sábado, antes de publicarmos o comunicado, voltamos a tentar o contacto, mas não obtivemos qualquer resposta", revelou ao Jornal de Notícias.

Recorde-se que Joacine Katar Moreira absteve-se na votação, apresentada pelo PCP esta sexta-feira, “de condenação da nova agressão israelita a Gaza e da declaração da Administração Trump sobre os colonatos israelitas”.

Na sequência desta abstenção, o Livre demarcou-se da atitude da deputada e, em comunicado publicado no site do partido, fez questão de sublinhar que a sua posição sobre a Palestina “é clara desde a fundação do partido: pela autonomia do território e pelo reconhecimento do Estado da Palestina”, manifestando assim a sua “preocupação com o sentido de voto da deputada Joacine Katar Moreira, em contra-senso com o programa eleitoral”.

Sublinhe-se que o texto em causa foi proposto pelos comunistas, tendo sido aprovado com votos a favor do PCP, do PEV, do Bloco de Esquerda, do PS e do PAN. PSD, CDS, Chega, e Iniciativa Liberal votaram contra. Além da abstenção da deputada do Livre, a proposta contou também com a mesma posição de Ascenso Simões, do PS.