Internacional

Iraque recusa ser "ponto de partida para a agressão"

O Presidente iraquiano afirmou que o país recusa ser "campo de batalha" para os Estados Unidos e o Irão.

O Presidente e o parlamento  iraquianos condenaram, esta quarta-feira, o ataque de retaliação iraniano às duas bases militares norte-americanas. Barham Salih pediu ainda que os dois países não transformem o Iraque, onde os ataques aconteceram, num “campo de batalha”.

"Denunciamos o bombardeamento de mísseis iranianos que atingiram instalações militares no território iraquiano e reforçamos a nossa rejeição à repetida violação da soberania do Estado e à transformação do Iraque num campo de batalha", declarou o Presidente, em comunicado.

Segundo a nota, Bagdad recusa ser “um ponto de partida para a agressão contra qualquer país e também recusa ser fonte de ameaça para qualquer um dos seus vizinhos”.

Também o presidente do parlamento iraquiano, Mohamed al-Halbusi, condenou os ataques da madrugada de quarta-feira. “Confirmamos a nossa rejeição absoluta a que as partes em conflito usem território iraquiano para ajustar contas", afirmou Al-Halbusi, segundo a agência Reuters.

Recorde-se que o parlamento iraquiano já tinha aprovado, após a morte do general Qassem Soleimani, a retirada do país das tropas estrangeiras, incluindo cerca de 5200 militares norte-americanos. Segundo a mesma agência de notícias, o Ministério dos Negócios Estrangeiros iraquiano já convocou uma reunião com o embaixador de Teerão em Bagdad. “O Iraque é um Estado Independente e a sua segurança é a sua prioridade”, garantiu.