Internacional

Maduro "nomeia" embaixador cubano para o Conselho de Ministros

"Os embaixadores [cubanos] fazem praticamente parte do Conselho de Ministros", disse Maduro.

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, quer aprofundar a aliança com Cuba, um dos seus maiores apoiantes no braço-de-ferro com os Estados Unidos. Para isso, Maduro propôs esta segunda-feira incorporar o embaixador cubano em Caracas, Dagoberto Rodríguez, no Conselho de Ministros do Governo venezuelano.

A surpreendente proposta de Maduro foi realizada no âmbito de um encontro intergovernamental entre o país sul-americano e Cuba - a reunião anual da Comissão Governamental do Convenio Integral de la  Cooperación Cuba Venezuela -, onde o Presidente discursou. Na prática, o chefe de Estado venezuelano quer oficializar aquilo que já é uma realidade no dia a dia do Governo do país, segundo o próprio Maduro. 

“Os embaixadores [cubanos] fazem praticamente parte do Conselho de Ministros. O embaixador cubano cá tem que estar com as portas abertas em cada ministério para coordenar e seguir em frente”, afirmou o Presidente da Venezuela, acrescentando que já consultou o “irmão mais velho e protetor Raúl Castro”, antigo Presidente de Cuba e um ícone da ilha latina.

As palavras de Maduro desencadearam quase instantâneamente uma chuva de críticas: muitos viram-nas como uma afronta à soberania venezuelana. Todavia, Maduro justificou a decisão com a necessidade de “reformar para melhorar toda a estrutura e toda a lógica das atividade para Cuba e a Venezuela”. “Sendo muito criativo, isto não é um relacionamento para participar todos os anos com a comissão mista, é um relacionamento para ser levado a cabo todos os dias, [de forma] permanente”, defendeu Maduro.

 

Casino de criptomoeda

Maduro anunciou na sexta-feira que autorizou a abertura de um casino em Caracas, capital da Venezuela, que irá funcionar com a criptomoeda lançada por si há dois anos - a petro - e que está sob a mira das sanções norte-americanas. “No Hotel Humboldt irá ser inaugurado um casino aberto e internacional e quem quiser apostar terá que apostar em petro e todos esses recursos vão entrar no Estado para a saúde, educação”, anunciou o chefe de Estado num discurso televisivo na estação estatal VTV. 

O Presidente ainda indicou que as apostas no referido casino podem ser realizadas com “moeda convertível”. “Compras 100 petros e fazes as tuas apostas legais, permitidas pelo Estado como contempladas nas leis nacionais”, acrescentou Maduro.

Na Venezuela os casinos são permitidos por lei desde 1997 e é a Comissão Nacional de Casinos que concede licenças para estes operarem. Por sua vez, a petro foi lançada para contornar as sanções americanas e europeias contra alguns responsáveis governamentais e empresas venezuelanas.