Internacional

Homem é torturado até à morte em lua-de-mel no Rio de Janeiro

A praia de Sono é conhecida por ser uma praia semisselvagem, com poucos residentes e onde se pode apenas chegar depois de uma viagem de barco de 15 minutos ou de uma longa caminhada, o que fez o homem considerar que este era o sítio perfeito para passar os primeiros dias de casado com a sua mulher. 

Adam Zindul tinha alugado uma casa na Praia de Sono, no município de Parati, uma região muito turística do sul do Rio de Janeiro para passar a lua-de-mel com a mulher. A praia de Sono é conhecida por ser uma praia semisselvagem, com poucos residentes e onde se pode apenas chegar depois de uma viagem de barco de 15 minutos ou de uma longa caminhada, o que fez o homem considerar que este era o sítio perfeito para passar os primeiros dias de casado com a sua mulher. No entanto, as suas férias acabaram por ter um fim trágico.

A casa foi invadida por um número incerto de criminosos, na passada quarta-feira. Adam foi espancado e torturado até à morte e a sua mulher violada pelos criminosos, noticiou o G1. As autoridades acreditam que o homem foi torturado pelos agressores, que queriam ter acesso aos seus cartões bancários.

Quando as autoridades chegaram à casa de férias, Adam já estava morto. Foi encontrado amordaçado e tinha os braços e as pernas amarrados a uma cadeira. A sua cabeça estava tapada com um capuz e o corpo apresentava inúmeros ferimentos.

A mulher, de nacionalidade brasileira, foi encontrada desorientada e com ferimentos provocados pelas agressões sexuais e foi transportada para o Hospital Municipal de Paraty, onde ainda se encontra internada. O seu estado de saúde é desconhecido.

As autoridades já detiveram um dos criminosos, um homem de 37 anos, e esperam que o seu testemunho os ajude a conseguir deter os outros culpados.  "Nós temos um suspeito e estamos a trabalhar para conseguir provas sobre esse elemento. Nós temos testemunhas. Estamos a ouvi-las", explicou o delegado Marcelo Russo, que comanda as investigações, em declarações ao G1.  "Foi um crime bárbaro e nós, graças a Deus, estamos a conseguir desvendar este caso e efetuar a prisão do suposto autor deste crime".